quarta-feira, 29 de março de 2017

Mercedes-Benz Challenge inicia 7ª temporada com grid renovado

O Mercedes-Benz Challenge entra na pista pela primeira vez em 2017 no próximo domingo (2/4) para iniciar sua 7ª temporada. 

Depois de mais uma temporada disputadíssima no ano anterior tanto na categoria C 250 Cup quanto na CLA AMG Cup, a competição abre a disputa pelo título no Autódromo Internacional Ayrton Senna, em Goiânia (GO), com um grid renovado e também repleto de grandes nomes da competição. A etapa de abertura do torneio terá largada às 10h, com transmissão ao vivo pelo canal por assinatura Band Sports.

Para o próximo fim de semana, a previsão é de que 36 carros estejam na pista, mantendo tradição da categoria em compor um dos maiores grids do País desde sua estreia, em 2011. Além disso, a nova temporada reforça o DNA da marca orginário das competições por meio de referências aos 50 anos de fundação da AMG, o braço esportivo da Mercedes-Benz. Durante o ano, todos modelos terão na testeira (parte superior do para-brisas) os dizeres "50 Years AMG". Essa menção reforça o papel importante da divisão de superesportivos para a categoria. Em 2013, a AMG desenvolveu o CLA 45 AMG Racing Series exclusivamente para o Mercedes-Benz Challenge.

Novidades entre os participantes - Um dos destaques para o fim de semana será a estreia de oito novos pilotos. A maior parte deles será na C 250 Cup, que a cada ano tem conquistado estreantes que passaram a compor, de forma permanente, o grid da competição. Os novos nomes da C 250 Cup são o pernambucano Carlos Machado, o paraibano Fernando Pessoa, o cearense Rudinei Sabino, os paulistas André Moraes Júnior, Luiz Barcellos, Fabio Peterson e Ciro Lobo - estes últimos correndo em dupla.

Para os estreantes da C 250 Cup, além da adaptação ao carro, o próprio traçado de Goiânia gera expectativa. "Eu treinei com a minha equipe, a Sambaíba Racing, nas pistas de Interlagos e Piracicaba", diz Fernando Pessoa. "O carro me pareceu bastante seguro. Ele é muito bom de curva e tem bons freios. Sei que o traçado de Goiânia é veloz e é também um dos melhores do Brasil. Eu nunca andei lá, mas pretendo usar os treinos de sexta-feira e sábado para assimilar detalhes sobre o carro e o traçado", completa o paraibano. O piloto também resumiu seu objetivo neste primeiro ano: "Quero terminar todas as corridas sempre entre os dez melhores e manter uma constância nos resultados ao longo da temporada".

Direto na divisão principal - Na CLA AMG Cup, a novidade é Raijan Mascarello. Paranaense de Francisco Beltrão, ele realizou seus testes com a equipe Mottim Racing, em Tarumã, perto da sede do time gaúcho. Com uma experiência adquirida em outras categorias, inclusive no exterior, Mascarello chega ao grid chamando a atenção pela parceria com a equipe de futebol da Chapecoense, para a qual vai reverter parte do patrocínio. "O CLA é diferente de um veículo de tração traseira, pois é tração integral", diz ele. "Mas com certeza vou me adaptar logo", completa. Sobre suas perspectivas, o piloto está otimista. "Temos uma boa expectativa, pois a nossa equipe tem experiência na categoria e vai conseguir me passar as informações que preciso para uma rápida adaptação. Quanto a Goiânia, local da primeira etapa, já competi quatro vezes lá e gostei muito", finaliza.

Antes da primeira etapa em Goiânia, a organização também realizou testes de verificação dos sistemas do CLA 45 AMG Racing Series usado como safety car nas provas do Mercedes-Benz Challenge. Entre as avaliações, foram coletados dados sobre o conjunto de freios equipados com pastilhas Fras-le e discos Fremax. O sistema de suspensão traseira com buchas Viemar e amortecedores JL/Kampico também foi objeto das medições. Os testes visaram reconfirmar a confiabilidade dos sistemas e foram executados tanto em piso molhado quanto em asfalto seco, usando pneus slick e de chuva. Com esses resultados, espera-se uma temporada muito acirrada entre os pilotos da categoria.

Confira a programação do fim de semana:
Sexta-feira, 31 de março
14h15 - 15h15 - Treino CLA AMG Cup
15h25 - 16h25 - Treino C 250 Cup 

Sábado, 1º de abril
10h30 - 11h30 - Treino MB Challenge
15h40 - 16h00 - Classificação CLA AMG Cup
16h10 - 16h30 - Classificação C 250 Cup

Domingo, 02 de abril
10h - Largada 

Stuttgart reúne 52 Porsches no Route Tour Porto Alegre-Bento Gonçalves

O segundo Porsche Route Tour organizado pela Stuttgart Veículos no Rio Grande do Sul repetiu no último sábado (25 de março) o sucesso do primeiro, realizado em 2016. Os clientes gaúchos puderam usufruir de seus carros com toda a tranquilidade em um evento familiar e amigável, com toda a segurança. 


No total, o Route Tour teve a participação de 52 carros de todos os modelos atuais da Porsche (911, 718 Boxster, 718 Cayman, Macan, Cayenne e Panamera), além de alguns clássicos com placa preta. Os clientes foram recepcionados com um café da manhã na Stuttgart Porto Alegre e de lá partiram para a viagem de 125 km em direção a Bento Gonçalves. Um pequeno grupo preferiu ir direto ao Hotel Spa do Vinho. 

O caráter familiar foi acentuado pelo grande número de casais, filhos, mães e sogras de proprietários dos Porsches. Um casal decidiu inscrever dois carros, para que cada um pudesse guiar o seu. No hotel, os participantes foram recepcionados com um almoço e concorreram a brindes oferecidos pela Stuttgart Veículos e pelo Hotel Spa do Vinho. 

Para os clientes, o Route Tour foi uma ótima oportunidade de aproveitar os Porsches. Como o grupo seguiu um carro-madrinha, o ritmo do passeio foi tranquilo, permitindo apreciar a paisagem e também as qualidades dos carros. Diante do interesse demonstrado pelos participantes, a Stuttgart Veículos estuda a possibilidade de organizar um novo Route Tour no Rio Grande do Sul ainda em 2017.


Máquinas de construção tem destaque na Farm Show 2017

A New Holland Construction participa da Farm Show 2017, que se realiza até 30 de março, no município de Primavera do Leste, no Mato Grosso do Sul. 

As máquinas de construção são muito versáteis nas atividades agrícolas. “Com o equipamento adequado, é mais fácil padronizar o tamanho dos talhões, a largura dos carreadores, as áreas de carregamento e os modelos de curvas de nível a serem adotados”, explica Paula Araújo, gerente de Produto da marca para a América Latina.

Para demonstrar isso, a marca exibe para o público na feira considerada uma das maiores de negócios do Sul do Estado, uma pá-carregadeira 12D e uma retroescavadeira  B95B Cab 4x4. “Além da oportunidade de conhecer bem de perto nossos equipamentos, o cliente também encontra condições diferenciadas para novas aquisições. A expectativa é de fazermos bons negócios”, completa Araújo. As máquinas de construção vão estar em exposição no estande da New Holland Agriculture, marca que também pertence à CNH Industrial, para mostrar toda força e versatilidade dos equipamentos de construção no campo.

Os produtos New Holland Construction podem ser largamente empregados em atividades no campo. Retroescavadeiras e pás-carregadeiras são as protagonistas, principalmente no setor sucroenergético, no qual ficam responsáveis pela implementação da infraestrutura em usinas e fazendas de cana, além do manuseio do bagaço.

Bastante versáteis no setor de construção e infraestrutura, as retroescavadeiras também podem ser usadas em diversas aplicações ligadas ao agronegócio, como nas culturas de soja, milho, arroz, trigo, cana-de-açúcar, na pecuária, e em outras. A máquina pode colaborar com o desassoreamento, limpeza, adubação, cultivo, irrigação e de várias outras maneiras. As minicarregadeiras, por sua vez, podem ser equipadas com múltiplos implementos como caçambas, valetadeiras, perfuratrizes e garfos pallets, o que as torna versáteis e produtivas para várias atividades no setor agropecuário, como carregamento de fardos e limpeza de currais.


A marca possui uma série de pás-carregadeiras específicas para o setor sucroalcooleiro. Além da caçamba maior para alimentar as caldeiras, seus modelos têm características exclusivas para atender às necessidades pesadas que esse segmento exige, como na movimentação e no carregamento de bagaço de cana, para alimentar as caldeiras e fazer curvas de nível. A máquina pode ser usada também em culturas semelhantes e com aplicações parecidas com as da retroescavadeira. 

Ônibus Volkswagen e Caminho da Escola: parceria celebra uma década


O Programa Caminho da Escola completa em março dez anos de sua criação, quando também iniciou a parceria com os ônibus Volkswagen. E não faltam marcos a se comemorar nessa trajetória: hoje 16 mil Volksbus transportam mais de 1 milhão de estudantes e contribuem com o acesso à educação nos lugares mais remotos do Brasil, atendendo a cerca de 5 mil municípios.

A MAN Latin America é a montadora com a maior frota transportando crianças e adolescentes, graças ao portfólio desenvolvido especialmente para o atendimento ao programa, que reúne atributos como baixo custo operacional e robustez sob medida.

Os modelos Volksbus escolar rural e escolar urbano piso baixo foram definidos com base em um amplo estudo de campo da aplicação para transporte escolar, que foi desenvolvido em parceria com FNDE, que opera o programa, além de universidades, centros de pesquisa, Inmetro, dentre outros.

A linha Volksbus destinada ao Caminho da Escola conta com veículos escolares na configuração rural e urbano piso baixo, na faixa de 5 a 15 toneladas. Dentre os atributos necessários para vencer os trajetos mais difíceis estão suspensões elevadas e reforçadas, pneus uso misto, eixo dianteiro com viga forjada, balanço dianteiro mais curto, ângulos de ataque e saída maiores, poltronas estofadas e de fácil limpeza, mecanismos antiesmagamento e ainda os dispositivos que garantem a acessibilidade para os alunos com mobilidade reduzida.

Operado pelo FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), o Programa Caminho da Escola foi criado em 2007 para renovar e ampliar a frota de veículos escolares, garantir segurança e qualidade ao transporte dos estudantes e contribuir para a redução da evasão escolar, ampliando, por meio do transporte diário, o acesso e a permanência na escola dos estudantes matriculados na educação básica da zona rural das redes estaduais e municipais. O programa também padroniza os veículos de transporte escolar, reduz os preços dos veículos e aumenta a transparência das aquisições.

Fórmula E volta à Cidade do México com o ePrix Julius Baer 2017

O ePrix Julius Baer na Cidade do México – no dia 1º de abril – marca o retorno da série de corridas elétricas com carros de um único assento 2016-17 na cidade, depois de sua estreia eletrizante no ano passado. 

Sebastien Buemi (Renault e.dams) entrou para a história, durante a corrida em Buenos Aires em fevereiro desse ano, tornando-se o primeiro piloto da Fórmula E a vencer três corridas consecutivas e neste sábado (1º de abril), ele tentará a quarta vitória.

Com mais de 2.500 metros de altitude, a versão personalizada e mais curta da pista do Autodromo Hermanos Rodriguez - que já recebeu corridas da Fórmula 1 e da World Endurance Championship (WEC) em temporadas anteriores - é a mais alta já utilizada na Fórmula E e uma das mais altas do mundo.

Os fãs mexicanos têm um motivo a mais para se alegrar este ano, já que o herói nacional Esteban Gutierrez vai estrear na Fórmula E, juntando-se a TECHEETAH pelo resto da temporada. Seu companheiro de equipe, Jean-Eric Vergne, finalmente conseguiu destacar o potencial da equipe na última rodada na Argentina depois de uma excelente sessão de qualificação, finalizando a corrida em segundo lugar, à frente de Lucas di Grassi (ABT Schaeffler Audi Sport).

Logo após conquistar sua primeira pole position, di Grassi vai tentar se recuperar de sua exclusão na classificação final do ano passado no México, após um de seus carros ter ficado abaixo do limite mínimo de peso, faltando 1,8 kg.

No ePrix da Cidade do México de 2016, o vitorioso foi Jerome D'Ambrosio (Faraday Futuro Dragon Racing), que dessa vez quer ganhar por mérito, se conseguir se livrar do companheiro de equipe Loic Duval. A dupla ficou bem equilibrada nas últimas corridas e trocaram golpes em Buenos Aires, com Duval levando a melhor.

A Fórmula E é um evento imperdível, mas alguns dos pilotos - Buemi, Jose Maria Lopez (DS Virgin Racing) e Stephane Sarrazin (Venturi) - vão perder a sessão de shakedown na sexta-feira, devido a compromissos com testes para a WEC. Buemi espera que isso não gere uma desvantagem, mas para os outros pilotos poderá ser uma chance para avançar sob o líder do campeonato, freando sua quarta colocação consecutiva. 

“Correr no Campeonato FIA Formula E inicia um novo capítulo na minha carreira pelo qual esperava muito. Os fãs mexicanos são os melhores no mundo e com o apoio deles esse com certeza será um fim de semana especial. Participar de uma série tão competitiva como essa, sem um teste prévio, será um desafio, mas a TECHEETAH provou que eles contam com um carro de alto potencial e forte, então, juntos, faremos o nosso melhor para ter um fim de semana de grande impacto. Convido todos os meus fãs mexicanos para estarem conosco durante a corrida, esse é um evento imperdível!", afirma Esteban Gutierrez – piloto da TECHEETAH.

A votação do FanBoost do ePrix na Cidade do México começou na segunda-feira, dia 27 de março (09:00h PST). Existem três formas de participar na votação FanBoost:
Pelo site oficial fiaformulae.com/fanboost
Pelo aplicativo oficial, disponível na App Store e no Google Play
Pelo Twitter, usando a hashtag #FanBoost #NomedoPiloto

Mônaco será a anfitriã da quinta rodada da temporada 2016-17 da Fórmula E, no dia 13 de maio.

terça-feira, 28 de março de 2017

Wagner Gonzalez em Conversa de pista

Zona de (des) conforto


Abertura do Mundial de F-1 não empolgou

Ultrapassagens foram poucas
Transmissão foi falha


Mudanças são inevitáveis, porém quando demoram quatro décadas para acontecer podem ser mais traumáticas ou complicadas e, se envolvem culturas tão diferentes quanto a inglesa de outrora e a americana do futuro, muito contundentes. Para quem estava habituado ao funcionamento perfeito da transmissão de TV e, principalmente, esperava mais ultrapassagens durante a prova, o que se viu no GP da Austrália foi decepcionante, exceto para os tifosi, que celebraram a volta da Scuderia Ferrari à vitória, com Sebastian Vettel (Ferrari SF70 H), e mostrar certa superioridade sobre a Mercedes, que completou o pódio com Lewis Hamilton e Valtteri Bottas (ambos com AMG-Mercedes W08), nesta ordem.

Desde o início do ano os engenheiros da categoria já deixavam claro que os novos pneus e as novas asas, todos mais largos e aderentes, encurtariam a zona de frenagem, consequentemente diminuindo a possibilidade de ultrapassagem nessas manobras. Para piorar, vários pilotos confirmaram, após a prova, que um outro problema complicou ainda mais a situação: os pneus mais largos amplificaram a zona de turbulência, fenômeno que deturpa a estabilidade num momento que este coeficiente deve ser o maior possível.

Pneus e freios também contribuíram para algum suspense no plano técnico: ambos os itens foram bastante alterados para esta temporada. O que se destaca com relação aos primeiros é o fato de 83% dos jogos disponibilizados terem sido os de composto ultramacio, e nada menos de 8 dos dos 13 pilotos que receberam a bandeira estivessem rodando com pneus macios, os mais duros do fim de semana. O conhecimento dos engenheiros sobre a exploração plena dos novos compostos de 2017 – que a Pirelli admitiu serem mais resistentes ao desgaste -, pode justificar o resultado da corrida: a Ferrari (Vettel deu 23 voltas, e Räikkönen 26) soube aproveitar melhor que a Mercedes (Hamilton deu 17 e Bottas 25) a durabilidade dos pneus usados na primeira parte da corrida, os mais aderentes disponibilizados para o traçado de Albert Park, considerado um circuito de rua..

Outras novidades importantes vieram com os novos discos de freio Brembo, que fornece para a maior parte do grid. No caso do fabricante italiano a maior massa desse componente, que agora tem 32 mm de espessura (quatro a mais que em 2016), permitiu aumentar de 1.000 para 1.200 os dutos de refrigeração. A mudança ajudou a melhorar a dissipação de calor gerada nas frenagens, índice que pode ultrapassar os 1.00ooC. Nem por isso o franco-suíço Romain Grosjean está mais tranquilo. Quando ele parou nos boxes por causa de um vazamento de água, na oitava volta, os freios traseiros do seu Haas VF17-Ferrari entraram em combustão. Quem sabe a causa dos males que o acompanha desde 2016 esteja na combinação do seu estilo de frenagem, na aerodinâmica do seu carro em torno do freios e suspensão e na instalação do sistema brake-by-wire que compõe o pacote do fabricante italiano. Além de Grosjean, Jolyon Palmer (Renault RS17) e o estreante Lance Stroll (Williams FW40-Mercedes) também tiveram problemas com os freios de seus carros.

Uma queixa generalizada dos pilotos foi a maior turbulência gerada pelos carros 2017, algo que afeta a estabilidade de quem vem atrás: a carga aerodinâmica de um F-1 é gerada principalmente pela asa dianteira. Segundo Max Verstappen (RB13-Tag Heuer), “quando você fica a dois segundos ou menos de quem está à sua frente isso fica muito claro. Além disso, a instabilidade acaba destruindo os pneus”. Para Nico Hulkenberg (Renault RS17) ficou “praticamente impossível ultrapassar. Eu era quase um segundo mais rápido que o Estebán Ocón (Force India VJ10-Mercedes) mas não havia jeito de ultrapassa-lo”. Lewis Hamilton foi ainda mais fundo e declarou que “os problemas para ultrapassar nunca foram tão graves.”

Entre os que evitaram o pânico estão Kimi Räikkönen e Christian Horner. O finlandês (Ferrari SF70 H) lembrou que “nunca foi fácil ultrapassar na F-1, por isso precisamos ter paciência e esperar uma prova em um circuito normal para ver o que acontece. Melbourne nunca foi o melhor lugar para ultrapassar.” Horner, ex-piloto e atual bam-bam-bam da Red Bull Racing foi mais além:
“Vamos esperar pelos GPs da China (9/4) e do Bahrain (16/4), que acontecem em duas pistas mais propícias a essas manobras.”

No lado da organização não foram poucas as falhas notadas até mesmo durante a transmissão das provas. Um antigo recurso desenvolvido para monitorar, principalmente, o ritmo de cada piloto a cada volta para ajudar os comissários desportivos a checar quem obedecia às ordens de bandeira amarela foi posteriormente explorado no aplicativo da F-1. Este ano o mesmo sistema foi implementado nas transmissões de TV, aparentemente sem que as devidas orientações fossem passadas aos locutores e comentaristas. Isso gerou dificuldades para que muitos soubessem explorar a informação, situação que piorou quando as inserções com classificação por tempo e as comunicações por rádio desapareceram parcial ou completamente. Não fica difícil imaginar a possibilidade de um boicote por parte de quem perdeu companheiros de trabalho.

Visualmente a qualidade do show também foi afetada: ao final das provas de classificação e da corrida os pilotos foram direcionados a uma área comum onde não havia espaço para destacar os três primeiros colocados. No sábado, Hamilton, Vettel e Bottas foram transportados pelo pit-lane em um carro de apoio, mo qual o inglês passeou com metade do corpo para fora. A cena não condiz com a campanha de segurança de trânsito promovida pela FIA, não importa o quanto de politicamente correto seja aplicado nesse julgamento. Além disso, não havia mais Herbie Blash para convencer os pilotos a ir direto para a pesagem e, no caso dos três primeiros, para as entrevistas de praxe. Chegou a ser cômico ver Vettel analisando carro por carro enquanto as TVs do mundo esperavam por sua presença após a prova de classificação.

Diante desse quadro certamente é mais sensato apoiar as propostas de Räikkönen e Horner. Afinal, o campeonato está começando e mudanças, por melhores que sejam, Alteram a zona de conforto de todos os envolvidos.

Campeonato Brasileiro de Turismo 1600 será lançado em 2017

Um dos campeonatos mais tradicionais do automobilismo no Brasil, o popular “Marquinhas” será recriado em 2017. A Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA) vai relançar o Campeonato Brasileiro de Turismo 1600, com duelos entre carros populares de 1.600 cilindradas, com pneus radiais.

As duas primeiras etapas ocorrerão no Autódromo de Cascavel (PR), no dia 28 de maio. Ao todo, serão 12 provas divididas em seis eventos pelo país (duas baterias de 30 minutos + 1 volta em cada evento). No dia 10 de dezembro, a competição se encerra no Autódromo de Brasília (DF) – veja o calendário completo abaixo.

Com o intuito de incentivar o retorno da categoria, nesta primeira temporada, a CBA isentará o campeonato de todas as taxas convencionais.O regulamento terá como base o Festival de Marcas Turismo 1600, com adaptações para gerar maior equilíbrio entre os carros e, consequentemente, potencializar a habilidade dos pilotos.

O Campeonato Brasileiro de Turismo será promovido pela Scuderia JK, dos sócios Ítalo Carrareto e Ângelo Correa.

“Todo mundo gosta dos campeonatos 1600 no Brasil, e o melhor de tudo é o custo muito baixo. O público sempre gostou, pois são carros de rua, que você pode encontrar nas concessionárias. Entendo que o Campeonato Brasileiro de Turismo 1600 pode ser o início da carreira de um piloto na categoria de turismo, uma porta de entrada para a Stock Car e a Nascar, por exemplo. Será uma forma muito legal de unificar todos os campeonatos e praticantes dessa modalidade”, ressaltou Carrareto, da Scuderia JK.

Confira o calendário do Campeonato Brasileiro de Turismo 1600
1ª e  2ª etapas  - 28/05/2017 – Autódromo de Cascavel – PR;
3ª e  4ª etapas  - 02/07/2017 – Autódromo de Londrina – PR;
5ª e  6ª etapas  - 06/08/2017 – Autódromo de Curvelo – MG;
7ª e  8ª etapas  - 24/09/2017 – Autódromo de Campo Grande – MS;
9ª e 10ª etapas  - 29/10/2017 – Autódromo de Caruaru – PE;
11ª e 12 etapas  - 10/12/2017 – Autódromo de Brasília – DF

Nissan lança serviço de compartilhamento de veículos no Japão

A Nissan e a cidade de Yokohama introduziram no Japão um serviço de compartilhamento de veículos utilizando o "Nissan New Mobility Concept", um modelo elétrico ultracompacto.

Através de registro online, o serviço "Choimobi Yokohama" permite que os usuários retirem e retornem os carros em 14 pontos distintos localizados em torno da Estação de Yokohama. Os carros podem ser reservados com 30 minutos de antecedência e utilizados dentro da cidade.

O serviço custa 250 ienes (2.2 dólares) por 15 minutos acrescido de uma carga básica de 200 ienes (1.7 dólares). Para utilizar o serviço os usuários precisam de carteira de motorista japonesa, smartphone e cartão de crédito emitido pelo Japão. A inscrição por ser feita no site japonês Choimobi: https://nissan-rentacar.com/choimobi-yokohama/.

O novo serviço tem como objetivo promover a mobilidade ultracompacta e desenvolver um modelo de negócio sustentável através da cooperação público-privada. O serviço também vai oferecer roteiros guiados no centro da cidade de Yokohama e aluguel de automóveis por períodos prolongados para empresas locais.

A Nissan e a cidade de Yokohama continuarão os estudos de uso e viabilidade deste serviço, incentivando várias entidades locais a participarem do programa.


Como líder em mobilidade de emissão zero, a Nissan continua buscando novas maneiras de utilizar veículos elétricos ultracompactos com a finalidade de melhorar o transporte e a qualidade de vida de todos.

BMW Group investe R$ 5 milhões em pós-vendas no Brasil

Para garantir a satisfação dos clientes e atingir a excelência no pós-vendas, o BMW Group Brasil investiu cerca de R$ 5 milhões desde 2014 para dar suporte ao programa global de certificação e auditoria em funilaria e pintura na rede de concessionárias das marcas BMW e MINI, em parceria com a DEKRA. 

O grupo certificou três grupos de concessionárias no Brasil: Eurobike (Ribeirão Preto, interior de São Paulo), Grand Brasil e Osten (ambos na capital São Paulo). Outras quatro concessionárias que já tinham sido certificadas em 2015 — Autostar (São Paulo), Germânica (Sorocaba), Autokraft (Rio de Janeiro) e Euro Import (Curitiba) — receberam nova certificação uma vez que o projeto audita anualmente a rede de concessionárias.

O programa de certificação em centros de reparos de colisão tem como objetivo principal a melhoria contínua e a padronização dos processos de funilaria e pintura a fim de garantir uma excelente qualidade no serviço com preservação das características originais do veículo.

"A expansão do pós-vendas é um dos nossos principais pilares. Nós trabalhamos para transmitir excelência aos nossos clientes e oferecer produtos e serviços de alta qualidade e conveniência", disse Antonino Gomes de Sá, diretor de pós-vendas do BMW Group Brasil.

Há 23 milhões de veículos BMW e MINI sendo dirigidos anualmente por nossos clientes. Todos os anos, o pós-vendas do BMW Group diagnostica cerca de 450 mil veículos e aproximadamente 25 milhões de automóveis visitam uma concessionária autorizada. Esse número demonstra a importância do pós-vendas para o BMW Group.

VIAÇÃO GARCIA FAZ AÇÃO PARA DEMONSTRAR O CONFORTO DAS POLTRONAS DE SEUS ÔNIBUS

A Viação Garcia Ltda., uma das principais operadoras de transporte rodoviário de passageiros do Brasil, realizou, nos meses de fevereiro e março, ação promocional no Shopping Center Catuaí, em Londrina, Paraná, para demonstrar o elevado padrão de conforto da poltrona leito-cama dos ônibus da empresa. A poltrona é produzida pela Marcopolo e equipa os veículos recentemente adquiridos.

Segundo Carla Panza, coordenadora de marketing do Grupo GBS, o objetivo é demonstrar a evolução das poltronas dos ônibus rodoviários. “Muitas pessoas não imaginam o nível de conforto que oferecem. Iniciamos a ação no dia 10 de fevereiro e se estendeu até o dia 19 de março, porém pretendemos transformá-la em itinerante. É importante que outras cidades e mais pessoas conheçam as vantagens de viajar confortavelmente em nossos ônibus”, revela.
A família de poltronas dos ônibus Marcopolo foi desenvolvida para proporcionar mais conforto e ergonomia aos passageiros. Concebidas com base na pesquisa realizada com os usuários, apresentam inovações únicas, como a utilização de espumas especiais (viscoelástico) na região da cabeça e do pescoço, novos apoios de pernas e pés, além de apoios de braço mais largos e macios.

As poltronas contam com sistema de acionamento da reclinação do encosto suave e prático, com sete diferentes posições, descansa-braço central mais macio e largo e apoio para pés com sistema de catraca, que possibilita ajuste de posição dos pés de acordo com a altura do usuário. Foram concebidas com foco na sustentabilidade. O revestimento traseiro, em peça única de plástico reciclado, melhora o acabamento e elimina processo de “ensacamento” na fabricação. A base do assento também é feita em plástico injetado e sistema de molas que sustenta a espuma de dupla densidade.

Fundada em 1934, a Viação Garcia se destaca entre as cinco maiores empresas do setor no País e é reconhecida pelos investimentos em novas tecnologias para garantir cada vez mais conforto e segurança para seus passageiros. A moderna frota, de mais de 800 ônibus, percorre 5,5 milhões de quilômetros por mês nas linhas que ligam os estados do Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Rio de Janeiro. A frota moderna e atualizada também está disponível nos fretamentos para transporte de grupos para lazer, turismo, negócios e outros e fretamento para transporte de funcionários.


Magneti Marelli Cofap amplia a linha de amortecedores para motocicletas

Com o crescimento da frota de motocicletas que utilizam suspensão traseira monoamortecida, a Magneti Marelli Aftermarket, unidade de negócios do grupo focada na reposição de autopeças e maior empresa do setor no mercado nacional, amplia o portfolio dos amortecedores conhecidos por “monoshocks” ou “pro-link”, com o objetivo de garantir aos usuários a oferta de produtos de alta performance e qualidade original.

Os amortecedores “monoshock” da marca Cofap seguem rigorosamente as especificações originais, observando tanto a quantidade de componentes internos como os materiais com os quais são produzidos os itens do equipamento original, proporcionando, por um valor correspondente à sua qualidade, maior resistência, durabilidade e melhor desempenho das suspensões, visando sempre maior controle e segurança dos usuários, com a garantia de quem produz amortecedores há mais de 50 anos no Brasil.

A Magneti Marelli Cofap é líder no mercado de suspensões e amortecedores e conta com a maior cobertura de frota para o mercado brasileiro.

A empresa continua investindo no desenvolvimento de amortecedores com essa configuração e em breve lançará novas aplicações para motos de maior cilindrada como Honda CB600 e Yamaha XJ6.

lançamento mais recente da marca destinada ao segmento de duas rodas foi o amortecedor para a moto Yamaha XTZ 250 Lander. Além dessa aplicação, a Magneti Marelli Cofap oferece também amortecedores “monoshock” para os seguintes modelos:

Código
Aplicação
MSC41001
Honda CBX 250 Twister (2001/2009)
MSC41002
Honda XLR 125 S (1996/2003)
MSC41003
Honda XR 200R (1993/2012)
MSC41004
Honda NXR Bros 125 / 150 (2003/2005)
MSC41005
Honda CB 300 (2009/2014)
MSC41006
Honda NX 400 Falcon (1999/2014) - Cromado e com regulagem
MSC41007
Honda XRE 300 (2009/2013) - Cromado e com regulagem
MSC41008
Honda XR 250 Tornado (2001/2009) - Cromado e com regulagem
MSC42001
Yamaha XTZ 125 (2002/...)
MSC42002
Yamaha Fazer YS 250 (2005/...)
MSC42003
Yamaha XTZ 250 Lander (2006/...) - Preto

Chevrolet Equinox chega ao mercado brasileiro ainda este ano

O Equinox será lançado no Brasil no segundo semestre. 

O modelo chega para reforçar a família de utilitários esportivos e crossovers da marca no país, composta pela linha Activ (Onix e Spin), além dos novos Tracker e Trailblazer.

“Este é o ano dos SUVs na Chevrolet, e o Equinox é a principal novidade global da linha 2017”, destaca Carlos Zarlenga, presidente da GM Mercosul.


Na região, o carro será comercializado apenas no Brasil este ano.

segunda-feira, 27 de março de 2017

EQUIPE PANASONIC JAGUAR RACING ESTÁ PRONTA PARA FAZER A TORCIDA MEXICANA VIBRAR EM MAIS UMA ETAPA DA FÓRMULA E

Depois da atuação positiva da equipe Panasonic Jaguar Racing na última etapa da Fórmula E, disputada em Buenos Aires no fim de fevereiro, a equipe britânica está ansiosa para desbravar o desafiador traçado do histórico autódromo Hermano Rodriguez, na Cidade do México.

Com 2.090 metros e 18 curvas, o autódromo é uma exceção ao longo da temporada, pois a corrida não é realizada em circuito de rua. O circuito mescla longas curvas com rápidas chicanes e está situado a 2.250 metros acima do nível do mar. Todas essas características faz dessa etapa uma das mais exigentes fisicamente para os pilotos.

As retas e os pontos de ultrapassagem, especialmente no entorno do histórico Auditório,  onde estão as curvas 8 e 12, bem como a entrada do antigo estádio de basebol garantirão muita emoção aos cerca de 28 mil espectadores que acompanharão a corrida.

James Barclay, diretor da equipe Panasonic Jaguar Racing disse: “aprendemos muito nas nossas três primeiras corridas e, especialmente na última etapa, em Buenos Aires, conseguimos dar um grande passo, melhorando bastante nosso desempenho na classificação. Ficamos muito perto de conseguirmos nossos primeiros pontos na Argentina e isso representa para todos do time um fator muito motivador para conseguir isso no circuito mexicano. Estou muito ansioso para conhecer esse histórico autódromo no México e ter nessa corrida mais uma oportunidade de adquirirmos experiência nesta nossa primeira temporada na categoria, que considero um ano de aprendizagem”.

“Essa será uma corrida muito desafiadora especialmente para os pilotos, por conta da altitude onde o autódromo está localizado. Isso não traz nenhum problema aos nossos veículos, mas exige um excelente preparo físico dos nosso pilotos Adam e Mitch”, complementa o executivo.

Para Mitch Evans, piloto da equipe Panasonic Jaguar Racing, “a última corrida em Buenos Aires foi tão positiva que deixou com uma sensação fantástica. Estou cada vez mais integrado aos membros da equipe, engenheiros e mecânicos e sinto que o carro está em franca evolução. Toda a nossa programação está progredindo conforme havíamos planejado. Estamos melhorando a cada corrida”.

O Autódromo Hermanos Rodriguez é um lugar histórico, onde muitos dos nossos ídolos já competiram. Foi muito divertido correr nesse circuito em nosso simulador, mas nada substitui a experiência de sair e desbravar essa pista”, complementa.

Já o outro piloto da equipe Adam Carroll, disse: “É muito emocionante poder voltar à Cidade do México. Tenho ótimas lembranças do circuito pois foi lá que consegui vencer na minha primeira temporada correndo na A1GP 10 anos atrás. Ano passado também percorri o traçado pela WEC e estou muito empolgado em poder voltar agora disputando a Fórmula E. Será uma prova muito desafiadora, com um circuito curto, muitas curvas, onde não temos muito tempo para descansar. Vai ser uma prova intensa para todos os pilotos e eu não vejo a hora de me sentar no cockpit e acelerar”.

Stuttgart Motorsport estreia com segundo lugar no Brasileiro de Endurance

Excelente estreia do Porsche 911 GT3 R da Stuttgart Motorsport no Campeonato Brasileiro de Endurance. 

Pilotado por Marcel Visconde/Ricardo Maurício, o carro estreou nas pistas brasileiras com o segundo lugar na 3 Horas de Tarumã, prova de abertura do Campeonato Brasileiro de Endurance. Visconde/Maurício lideraram a prova e terminaram a apenas 5 segundos dos vencedores Franco Pasquale/Tiel Andrade, que competiram com um protótipo Tubarão 9.

"Estou muito contente. Foi a primeira vez que andamos com o 911 GT3 R e nem esperávamos algo próximo do que conseguimos. Corremos com um carro totalmente novo e lutamos pela vitória com protótipos de corrida que vêm sendo desenvolvidos há bastante tempo. E ainda ganhamos o prêmio de Melhor Equipe", comemorou Visconde.

O Porsche 911 GT3 R alinhou em terceiro lugar entre os 29 carros que largaram na 3 Horas de Tarumã. À sua frente, estavam os protótipos AJR de Juliano Moro/Cristiano de Almeida/Adriano Alves, pole position, e o Tubarão 9 de Pasquale/Andrade. A largada foi dada com safety car: fazia sol, mas a pista estava bastante molhada e empoçada devido a uma chuva forte que caíra pouco antes. 

Os três primeiros do grid logo se destacaram dos demais, com o Porsche (conduzido por Maurício) e o Tubarão 9 disputando o segundo lugar. Com 15 minutos de corrida, a pista já tinha um trilho seco e os primeiros colocados pararam nos boxes para colocar pneus slicks. Logo depois, o Porsche assumiu a liderança da prova pela primeira vez. Aos 56 minutos, Maurício entrou nos boxes para entregar o 911 GT3 R a Visconde - nessa altura, a chuva havia voltado e a prova estava sob safety car devido a um acidente.

Na relargada, Visconde manteve a liderança, que manteve por mais cinco voltas até ser ultrapassado pelo Tubarão 9. Na metade da prova, o Porsche e o Tubarão 9 já tinham uma volta sobre os demais concorrentes, com a distância entre os dois primeiros colocados variando de acordo com o tráfego e as intervenções do safety car. Na última parada de box, com a pista novamente seca, Maurício reassumiu o volante do Porsche. 

Faltando 23 minutos para o final, Andrade se aproximou de quatro retardatários, mas ficou sem espaço para ultrapassá-los. Maurício, mais atrás, viu o traçado externo livre e ultrapassou todos por fora, assumindo a liderança. O Porsche chegou a ficar 5 segundos na frente, mas uma nova entrada do safety car anulou essa diferença. Na primeira volta após a relargada, Andrade aplicou pressão máxima no motor turbo e fez a ultrapassagem que deu a vitória ao Tubarão 9.

Os seis primeiros colocados da 3 Horas de Tarumã:
1) 05-Franco Pasquale/Tiel Andrade (Tubarão 9), 135 voltas, 3h00:45.373
2) 20-Marcel Visconde/Ricardo Maurício (Porsche 911 GT3 R), a 5.026
3) 31-Marcello Sant’Anna/William Freire (Lamborghini), a 5 voltas
4) 32-Mauro Kern/Paulo Souza (Tubarão), a 6 voltas
5) 110-Eduardo Dieter/Francesco Ventre (MR18), a 7 voltas
6) 71-Daniel Claudino/Ian Ely (MCR), a 8 voltas

Chery Confirma New QQ Flex

A Chery Brasil confirma o lançamento de seu modelo de entrada, o New QQ, com motor flex para o próximo mês.

Além da novidade da motorização, a Chery também revela que o modelo passará a contar com uma terceira versão, batizada de Smile, além das atuais Look e Act, que virão acompanhadas de benefícios exclusivos, com preços bastante competitivos, mantendo seu título de “o carro mais barato do Brasil”, por possuir o melhor custo benefício ao consumidor.


O subcompacto também é conhecido por ser um dos carros mais econômicos do mercado nacional, tendo alcançado a nota mais alta (AA) no selo Conpet, concedido pelo Inmetro.

Volkswagen Voyage conquista a marca histórica de 1.500.000 unidades produzidas no Brasil



A Volkswagen do Brasil acaba de conquistar a marca de 1,5 milhão de unidades do modelo Voyage produzidas no País. O marco produtivo foi representado pelo Voyage Highline na cor azul Lagoon, fabricado na unidade de Taubaté, no interior de São Paulo.
 
“O Voyage é um modelo que se destaca pela sua versatilidade. É um veículo compacto, conectado, perfeito para a cidade, e alia conforto e espaço interno, para a família. O marco de 1.500.000 unidades produzidas é prova disso”, diz o Presidente e CEO da Volkswagen do Brasil e América do Sul (SAM), David Powels.
 
Derivado do Gol, o Voyage foi lançado em julho de 1981 e foi totalmente projetado e desenvolvido no Brasil. Ao longo de sua história, já teve mais de 420 mil unidades exportadas para 61 países. Quinto modelo Volkswagen mais vendido do mercado brasileiro, o Voyage registrou 26.074 unidades comercializadas no mercado nacional em 2016.
 
História
Oferecido inicialmente apenas com carroceria de duas portas, o Voyage foi lançado nas versões S e LS, com opção de motores movidos a álcool ou a gasolina, ambos de 1,5 litro e refrigerados a água. O câmbio era de quatro marchas.
 
A produção do Voyage teve início na fábrica da Volkswagen em São Bernardo do Campo, que fabricou 340.891 unidades do carro em dois períodos: entre 1981 e 1987 e entre 1990 e 1996. Nos anos de 1988 e 1989 o carro foi produzido na fábrica de Taubaté, no interior do estado de São Paulo. Desde 2008, o modelo é produzido exclusivamente na unidade de Taubaté, na mesma linha em que é fabricado também o Novo Gol.
 
Pelo mundo
Uma curiosidade sobre as exportações do Voyage é que o sedã somente é comercializado com este nome no Chile, Colômbia e Argentina. Nos demais países da América do Sul, América Central e México, o Voyage é conhecido como Gol Sedan.
 
Já nos Estados Unidos e no Canadá, onde foi vendido durante um período de sete anos (de 1987 a 1993), foi chamado de Fox (o atual modelo com este nome ainda não existia) e somou mais 202 mil unidades comercializadas. Na ocasião, o Voyage exportado já contava com uma novidade para a época que era um inédito sistema de injeção de combustível. Em relação às versões comercializadas no Brasil, os modelos receberam aproximadamente 2.000 modificações, incluindo suspensão e câmbio de quatro marchas com “overdrive” (longo).
 
Atualmente, o Voyage é exportado para oito países: Argentina, México, Bolívia, Chile, Colômbia, Peru, Paraguai e Uruguai. Entre os 61 países onde o Voyage já foi comercializado estão Egito, Haiti, Libéria, Bahamas, Angola e Jordânia.
 
Evolução constante
A versão inicial do Voyage passou por inúmeras atualizações ao longo de sua história, marcada também por várias séries especiais, a começar pelo Voyage Plus, de 1983, e o Voyage Los Angeles, caracterizado pela cor azul metálica, que homenageava os Jogos Olímpicos realizados na cidade americana. Sua produção se estendeu até 1996, quando o modelo foi substituído no portfólio da Volkswagen pelo recém-chegado Polo Classic.
 
Em 2008, com plataforma totalmente nova e desenvolvido simultaneamente com a quinta geração do Gol, o Voyage retornou ao mercado, trazendo motor transversal, maior espaço interno e tecnologia e conforto condizentes com os novos níveis de exigência do mercado brasileiro do século 21. Oferecido com motores TotalFlex 1.0 e 1.6, a partir do ano seguinte ele também passou a contar com a opção da transmissão automatizada I-Motion.
 
De lá para cá, ano a ano, o sedã vem se modernizando e inovando sua categoria. Seja em estilo ou em equipamentos de série. No início de 2016, o sedã recebeu na linha 2017, entre outras novidades, a evolução de design, um interior completamente novo e passou a contar com a tecnologia Volkswagen App-Connect, a mais inovadora em sistemas de infotainment no mercado.
 
Cronologia
1981 – Lançamento do sedã, com duas portas, motor de 1,5 litro refrigerado a água (o mesmo usado no VW Passat) a álcool ou gasolina, nas versões S (Super) e LS (Luxo Super)
 
1982 – Eleito Carro do Ano pela revista AutoEsporte. Início da fabricação também na Argentina, onde foi inicialmente comercializado com o nome Gacel, e da exportação para países da América do Sul com os nomes Senda e Amazon
 
1983 – Primeira série especial, o Voyage Plus. Motor passa a ser 1.6
 
1984 – Lançamento da versão com quatro portas. Série especial Los Angeles, homenagem aos Jogos Olímpicos realizados nos Estados Unidos, na cor azul metálico e equipamento diferenciado como bancos Recaro e aerofólio traseiro (limitada a duas mil unidades). Câmbio de cinco marchas passa a ser oferecido como opcional
 
1985 – Passa a utilizar os motores AP (alta performance) 1.6 e 1.8
 
1986 – Série especial “GLS Super” com motor 1.8
 
1987 – Início das exportações para os Estados Unidos (Projeto 99), juntamente com a Parati. Durante sete anos, rebatizado de Fox, o Voyage, teve 202.062 unidades exportadas para os EUA. Para atender às exigências legais e do mercado americano, as versões CL (Comfort Luxo), GL (Gran Luxo) e GLS (Gran Luxo Super) passaram por aproximadamente 2.000 modificações, incluindo mudanças na suspensão, câmbio de quatro marchas com overdrive, novos faróis, lanternas e para-choques
 
1990 – Comemoração da produção de 600.000 unidades do Voyage no Brasil.
 
1991 – Nova dianteira: mudanças nos faróis, lanternas, grades, capô e para-lamas. O Voyage atinge a marca de 700.000 unidades produzidas, dessas mais de 400.000 foram destinadas ao mercado interno e o restante para o externo, principalmente para os Estados Unidos, e Argentina (onde recebeu o nome de Gacel e Senda), além de outros países da América Latina, África e Europa. Até 1991 a VW já havia exportado mais de 170 mil unidades para os EUA.
 
1993 – Série especial Sport, com motor 1.8
 
1994 a 1995 – Novas cores e revestimentos. Novos rádio e toca-fitas, como itens opcionais
1996 – A produção do Voyage é encerrada após 465.176 unidades fabricadas, dando lugar ao Polo Classic
 
2008 – Volta do Voyage após 12 anos de ausência do mercado. Desenvolvido juntamente com o Gol, o carro tem motor transversal 1.0 ou 1.6 e linhas completamente novas.
 
2009 – Versão I-Motion, com câmbio automatizado ASG e motor 1.6
 
2010 – Novos equipamentos de série: temporizador do limpador do para-brisa, Módulo Alto-falantes e o Módulo Preparação, nas versões 1.0 e 1.6
 
2012 – Alcança o marco de 1 milhão de unidades produzidas no Brasil. Sedã passa a contar com design global e equipamentos inéditos. Novo Voyage traz a nova geração de motores 1.0l, da família EA111. O novo propulsor traz a nova denominação TEC (Tecnologia para Economia de Combustível).
 
2014 - passam a utilizar nomenclatura global para diferenciar suas respectivas versões: Trendline, Comfortline e Highline. E mais: com a linha 2015, a Volkswagen lança o Voyage Evidence, posicionado acima da versão Highline
 
2016 – Modelo recebe evolução de design, interior completamente novo e a tecnologia Volkswagen App-Connect, a mais inovadora em sistemas de infotainment no mercado. Estreia do motor 1.0l de três cilindros Total Flex (82 cv) na linha Voyage.
 
2017 – Conquista a marca de 1,5 milhão de unidades produzidas

Kartismo: Alberto Cesar Otazú e Zeppe Corsi empatam na liderança do GPCKA

O GP Circuito Amador de Kart está mais competitivo do que nunca. Após a segunda etapa o certame está empatado com Giuseppe Corsi e Alberto Cesar Otazú (Braspress/Pilotech/BraClean/Alpie) na liderança, ambos com 67 pontos. ‘Zeppe Corsi fez o hat trick (pole position, volta mais rápida e vitória) no último domingo (26/3) no Kartódromo Internacional Granja Viana, repetindo o feito de Alberto Cesar na prova de abertura em Interlagos.

"Bem que o critério de desempate poderia ser por tempo, aí eu ficaria na ponta por 1s7", brincou o então líder isolado Alberto Cesar com ‘Zeppe’ Corsi, vencedor desta etapa com 6s445 de vantagem sobre ele, mas que na corrida inicial em fevereiro tinha ficado em segundo com a margem de 7s151 sobre seu companheiro na liderança.

Giuseppe Corsi estabeleceu a pole position com o tempo de 57s972, liderou de ponta a ponta, e ainda estabeleceu a volta mais rápida com a marca de 57s755. Já Alberto Cesar largou em quinto e participou de duras disputas para assumir a segunda colocação. 

Entre as equipes, a atual vice-campeã DCKS assumiu a liderança com 115 pontos, após a vitória de Corsi e o quinto lugar de Antonio Moura Andrade. Campeão por duplas no ano passado, Alberto Cesar Otazú caiu para a vice-liderança, com 99 pontos, pois seu companheiro na equipe Cazarré MktCom/Braspress Luiz Cazarré (LEAG/Avalanche - United Snowflakes/Maha Sports/Orioli Palestrantes/Seekr/Sport Add/Suplefemme) abandonou a prova com problemas em seu kart. 

"Este campeonato é muito equilibrado, pois a diferença de pontuação entre cada colocação é de apenas um ponto. Então, o que manda é a regularidade, temos que terminar e pontuar em todas as etapas para nos mantermos vivos na competição", alerta Alberto Cesar.

Neste evento aconteceu a estreia da categoria Super 100, utilizando os karts italianos Parolin. Fernando Lírio também fez o nosso famoso ‘barba, cabelo e bigode’, após largar da pole position, completar a volta mais rápida e vencer, passando a ser o primeiro líder do certame. Em segundo terminou Roberto Gianotti. 

A terceira etapa do GP Circuito de Kart Amador será no dia 28 de maio, novamente no Kartódromo Internacional Granja Viana.

Os dez primeiros na 2ª etapa do GPCKA principal foram: 1) Giuseppe Corsi, 18 voltas em 18min08s780; 2) Alberto Cesar Otazú, a 6s445; 3) Henrique Sigoli, a 12s122; 4) Bruno Fernandes, a 13s634; 5) Antonio Moura Andrade, a 16s334; 6) Luciano Montanhez, a 17s714; 7) Felipe Huertas, a 18s604; 8) Neldir Amaral, a 19s707; 9) Augusto Coutinho, a 20s820; 1) Vinicius Palmieri, a 22s263. 

Confira os dez primeiros após duas etapas do GP Circuito de Kart Amador: 1) Alberto Cesar Otazú e Giuseppe Corsi, 67; 3) Henrique Sigoli, 62; 4) Neldir Amaral, 56; 5) Luciano Montanhez, 54; 6) Bruno de Oliveira, 51; 7) Antonio Moura Andrade e Augusto Coutinho, 48; 9) Bruno Pinheiro, 45; 10) Hugo Dória, 44.

Os dez primeiros na 1ª etapa da GPCKA Super 100 foram: 1) Fernando Lirio, 19 voltas em 18min41s095; 2) Roberto Junior, a 3s846; 3) Luciano Montanhez, a 6s027; 4) David Hilario, a 6s157; 5) Giuseppe Corsi, a 11s781; 6) Felipe Huertas, a 12s071; 7) Lucas Cintra, a 20s654; 8) Hugo Doria, a 21s711; 9) Higor Huertas, a 22s933; Rogério Souza, a 29s564.