sábado, 21 de janeiro de 2017

Tarcísio Dias em Mecânica Online

 Sistemas de assistência para estacionamento completam uma década

Em nosso cotidiano das reportagens da indústria automotiva é sempre comum a proximidade com as inovações em tecnologias. Algumas chegam a parecer coisas de cinema quando nas ruas colocamos em prática. Uma delas que sempre chama atenção tanto para quem vai no veículo e também para quem está do lado de fora, é o sistema de assistência para estacionamento.
Aqui no Brasil alguns marcas oferecem em seus modelos, mas a tarefa não é fácil quando a relação entre custo e benefícios precisam cada vez mais serem enxutos.

Mundialmente essa inovação já comemora uma década. Foi a Volkswagen a primeira fabricante de automóveis do mundo esse recurso. Graças ao seu contínuo desenvolvimento, o “Park Assist”, assim chamado pela fabricante alemã, tornou-se mais e mais inteligente e hoje pode estacionar o automóvel com precisão nos espaços mais apertados.

Quem nunca experimentou uma busca frustrante por um espaço adequado para estacionar? Vagas de estacionamento estão cada vez mais raras, e não apenas nas áreas mais agitadas das grandes metrópoles.

Depois de finalmente encontrar um espaço, o próximo desafio é entrar nele. No início da década de 2000, os engenheiros da Volkswagen assumiram como missão resolver esse problema. Em 2006, apresentaram o resultado: o Park Assist.

O sistema auxilia o motorista executando automaticamente os movimentos de direção corretos para tomar a trajetória correta para estacionar. A medição do tamanho da vaga, a determinação da posição correta para o início da manobra e os movimentos da direção são executados automaticamente pelo Park Assist – o motorista tem apenas que acelerar e frear.

Por isso mesmo, fica engraçado quando outras pessoas estão no veículo e observam, perplexas, que é o carro quem toma a direção na hora da manobra.
No lançamento, o primeiro modelo com o recurso foi o Touran, e suas opções ainda eram muito limitadas. Apenas duas movimentações eram possíveis e o sistema só possibilitava estacionar em vagas paralelas à rua.

A necessidade de um espaço com “o comprimento do veículo mais 1,40 metro” incomodava usuários. Da mesma forma, isso acontecia com a procura por vagas do tamanho adequado nos apertados centros das cidades, algumas vezes difíceis de encontrar. 

Enquanto isso, o desenvolvimento do sistema continuava de forma intensa. O Park Assist precisava tornar-se mais funcional e fácil de utilizar. E assim foi.

Em 2010, estacionar em espaços longitudinais ficou mais rápido. Dois anos depois, foi acrescentada a opção de estacionar em vagas transversais.

Graças a algoritmos ainda mais complexos, o total de doze sensores ultrassônicos instalados no veículo tornaram possível avaliar o espaço circundante com consistência e precisão. E o espaço adicional necessário nas vagas? Ele foi reduzido consistentemente até apenas 90 centímetros.

Estacionamento paralelo? Sim! Estacionamento em vagas transversais? Sim! O que ainda faltava era poder estacionar de frente.

Mais uma vez, foi apenas uma questão de tempo até os engenheiros da Volkswagen apresentarem uma solução.

Em 2015, a hora chegou.
A Geração 3.0 do Park Assist, presente no Novo Passat no mercado brasileiro, precisa de apenas 80 centímetros de espaço lateral para colocar o motorista dentro da vaga de seus sonhos. E agora conta também com uma função de frenagem de emergência. Apesar disso não conseguir eliminar completamente acidentes ao estacionar, ao menos pode minimizar os danos.

Na última década, também aconteceu muita coisa dentro do cockpit: anteriormente, só era possível uma representação simples dos arredores do carro, consistindo em seis objetos, semelhante aos primeiros games de computador dos anos 1980. Agora, o espaço ao redor do carro e a área de manobra podem ser exibidas em um mapa digital, calculado por um sistema inteligente.

O Park Assist não registrou sua história de sucesso apenas na Alemanha, mas tornou estacionar uma tarefa fácil praticamente no mundo inteiro. Atualmente no mercado várias marcas e modelos apresentam a mesma tecnologias, mas com nomes diferentes, de forma que podemos citar modelos como Golf, Golf Variant, CC, Tiguan e Novo Passat da Volkswagen, Novo Cruze com a Chevrolet, Ford Fusion, entre outros modelos.

PERFIL
Tarcisio Dias é profissional e técnico em Mecânica, além de Engenheiro Mecânico com habilitação em Mecatrônica e Radialista, desenvolve o site Mecânica Online® (www.mecanicaonline.com.br) que apresenta o único centro de treinamento online sobre mecânica na internet (www.cursosmecanicaonline.com.br), uma oportunidade para entender como as novas tecnologias são úteis para os automóveis cada vez mais eficientes.

Coluna Mecânica Online® - Aborda aspectos de manutenção, tecnologias e inovações mecânicas nos transportes em geral. Menção honrosa na categoria internet do 7º Prêmio SAE Brasil de Jornalismo, promovido pela Sociedade de Engenheiros da Mobilidade. Distribuída gratuitamente todos os dias 10, 20 e 30 do mês.



GM América do Sul reorganiza sua estrutura regional

Carlos Zarlenga, 43 anos, assume a responsabilidade pela GM Mercosul, integrando as operações na Argentina e Brasil com o compromisso de consolidar e expandir a liderança da Chevrolet, oferecendo aos clientes veículos com a mais alta qualidade, design inovador e tecnologia surpreendente. 

Zarlenga traz à nova posição um profundo conhecimento e experiência global na gestão de operações complexas. Em seu papel atual como o presidente de GM do Brasil, ele conduziu a renovação da linha Chevrolet e o lançamento de novas tecnologias de eficiência energética e conectividade total.


"Temos uma forte base de manufatura em ambos os países. Nosso objetivo é alavancar oportunidades de negócios, aproveitando ao máximo nossa excelente rede de concessionárias e o talento de nossas pessoas", disse Carlos Zarlenga.

Antes de assumir a presidência da GM do Brasil, Carlos Zarlenga atuou como Chief Financial Officer (CFO) da General Motors América do Sul (GMSA) e como Presidente da GM Argentina, Uruguai e Paraguai (GMA).Anteriormente, Zarlenga foi Vice-Presidente e CFO da General Motors Coreia e Diretor do Conselho de Administração da GM Uzbequistão, uma joint-venture entre a GM e o Governo do Uzbequistão.

JAGUAR LAND ROVER OFERECE AOS CLIENTES UMA VIAGEM VIRTUAL POR SEUS VEÍCULOS

Jaguar Land Rover, maior fabricante de veículos do Reino Unido, está se tornando a pioneira em uma nova maneira de vender seus veículos ao redor do mundo: a realidade virtual.

Nos próximos dias, algumas concessionárias das marcas britânicas ao redor do mundo passarão a oferecer aos seus clientes o Virtual Reality Experience, ferramenta que mostra todos os detalhes dos novos modelos Jaguar e Land Rover aos clientes e interessados. O sistema é ideal para exibir veículos recém-lançados que ainda não chegaram às lojas.

A experiência em realidade virtual mergulha os clientes nos lançamentos da Jaguar Land Rover, mostrando cada detalhe, cada funcionalidade, o que se configura em uma maneira completamente nova de iteração com os automóveis no momento da compra. 

Mesmo antes de alguns lançamentos estarem disponíveis nas lojas, os concessionários Jaguar Land Rover poderão oferecer a seus clientes um tour virtual por essas novidades e permitir seus clientes a interagir e ver cada característica desse veículo em tamanho real, por meio de um óculos de realidade virtual.

Usando as mais recentes tecnologias digitais, os óculos de realidade virtual levarão os clientes em uma viagem "além do capô", com a ajuda de animações convincentes para contar as histórias técnicas que tornam o veículo especial.

A ferramenta também permite ao cliente explorar o interior do veículo em 360 graus a partir de diferentes pontos de vista. Uma versão para tablets também está disponível aos clientes que quiserem obter mais detalhes sobre o veículo.

Andy Goss, Diretor de Operações de Vendas da Jaguar Land Rover, disse: "como se nossos veículos já não fossem suficientemente excitantes, essa nova forma de comprar um carro atrairá os clientes ainda para uma experiência muito interessante. O Virtual Reality Experience também ajudará os varejistas a romper o gelo com os clientes e injetar ainda mais diversão no processo de compra de nossos veículos ".

A Jaguar Land Rover implementará o Virtual Reality Experience em mais de 1.500 lojas espalhadas por 85 países. Disponível em 20 idiomas distintos, a ferramenta já está sendo testada em alguns concessionários do Reino Unido desde o lançamento do Jaguar F-PACE e será usada a cada novo veículo apresentado neste ano, a começar pelo Novo Discovery.


Primeiras unidades de testes do Nissan Kicks são finalizadas em Resende

A Nissan inicia o ano de 2017 com novidades no seu Complexo Industrial em Resende. Como parte da preparação da fábrica para a produção do Nissan Kicks ainda neste semestre e futura exportação para a América Latina, a equipe da área de Montagem Final (Trim & Chassis) entregou as primeiras unidades de testes produzidas para os executivos globais da companhia, entre eles o vice-presidente executivo mundial de Manufatura e Logística da Nissan Motor Co., Ltd, Fumiaki Matsumoto.

Os modelos fazem parte das unidades finalizadas pela equipe de Resende durante a primeira etapa de testes dos equipamentos e treinamento dos funcionários na linha de produção. O foco é total em qualidade com o padrão mundial da Nissan.

Para o diretor de Operações de Manufatura da Nissan, Sérgio Casillas, "Esta etapa confirma a preparação da equipe de Resende para entregar um produto de qualidade elevada ao consumidor brasileiro e futuramente da América Latina. A fábrica já possui hoje, com os modelos March e Versa, um dos melhores indicadores de qualidade do grupo Nissan em todo o mundo. E é esta mesma qualidade e tecnologia japonesa que será aplicada na fabricação do Nissan Kicks brasileiro, por isso estamos fazendo todos os testes".

"O Nissan Kicks possui uma maior complexidade de montagem ao longo da linha de produção, o que exige um número de operações cerca de 20% superior aos modelos March e Versa, com diferenciais nos componentes eletrônicos, devido à diversidade de tecnologia embarcada do modelo. Alguns deles únicos no segmento de SUVs compactos no Brasil", explica Marcelo Soares, gerente de Montagem Final da Nissan do Brasil.

Para concluir a fabricação do novo SUV, a Nissan utiliza equipamentos e postos de operação específicos para a montagem dos hacks de teto flutuante e a calibração das câmeras 360º do Around View Monitor, tecnologia que oferece ao motorista uma visão 360º auxiliada por quatro câmeras, um sensor de estacionamento sonoro e luzes indicativas no painel. Ao todo são feitas 890 operações de montagem somente do novo modelo na linha final.

Nissan Kicks
Com um estilo ousado e dinâmico, o Nissan Kicks foi criado para os clientes que levam uma vida agitada nas grandes cidades e precisam enfrentar os desafios da "selva urbana". O modelo é um dos primeiros a integrar o conceito de "Mobilidade Inteligente" da Nissan, resultado de avançados processos de engenharia e manufatura e inclusão de itens tecnológicos que proporcionam o equilíbrio perfeito entre performance e economia de combustível.

O Nissan Kicks traduz este conceito em uma série de atributos, como um motor moderno, o câmbio XTRONIC CVT de última geração, peso menor em comparação com seus concorrentes, além de design aerodinâmico que aumenta a eficiência. Além disso, o Nissan Kicks é equipado com tecnologias de segurança úteis, como a câmera de visão 360°, o Detector de Objetos em Movimento, Controle Dinâmico do Chassi, Controle Dinâmico em Curvas, Estabilizador Ativo de Carroceria e Controle Dinâmico de Freio Motor, nos modelos topo de linha.


A comercialização do Nissan Kicks foi iniciada mundialmente no Brasil, seguindo depois para outros mercados da América Latina, com previsão de lançamento em mais de 80 países. Fabricado atualmente no México, o modelo passará a ser produzido no Brasil, no Complexo Industrial de Resende, este ano.

Trator movido a biometano será destaque no estande da Itaipu no Show Rural 2017

Um trator movido a biometano será uma das principais atrações do estande de Itaipu Binacional no Show Rural Coopavel, que ocorre de 2 a 17 de fevereiro, em Cascavel. O evento é considerado uma das mais importantes feiras de tecnologia do agronegócio brasileiro.O trator é um protótipo feito a partir do modelo T6.140, da New Holland, e foi apresentado pela primeira vez no Brasil no final de agosto, durante a Expointer 2016 – a Exposição Internacional de Animais de Esteio, região metropolitana de Porto Alegre (RS).

Desde dezembro, o veículo passa por uma fase de testes na Granja Haacke, em Santa Helena (a 100 km de Foz do Iguaçu). É dessa propriedade que sai o gás que abastece a frota de veículos a biometano da Itaipu Binacional.A vinda do trator ao Paraná foi viabilizada a partir de um acordo de cooperação assinado entre a Itaipu e a Case New Holland (CNH), durante a Expointer, visando aprimorar e difundir tecnologias relacionadas ao uso do metano como combustível veicular.

Nilson Righi explicou que o teste em Santa Helena é o primeiro do veículo no Brasil; antes, o trator havia rodado apenas na fazenda La Bellota, no norte da Itália. Após o Show Rural, o protótipo seguirá para outras propriedades do País.O objetivo, segundo ele, é avaliar o comportamento do veículo considerando o clima e as características das propriedades rurais brasileiras. “São horas de trabalho que geram dados e nos ajudarão a desenvolver e melhorar o produto”, disse, antecipando que uma nova geração do trator já está sendo desenvolvida na Europa.Ele acrescentou que a parceria com Itaipu foi importante como “impulso inicial no sentido de divulgar a tecnologia e, no futuro, formar mercado para um trator desse tipo”.

André Haacke elogiou o trator – “muito confortável, gostoso de andar” – e disse acreditar que o biogás é uma forma de transformar um passivo ambiental (os dejetos) em ativo energético. Em sua propriedade, são criadas 220 mil galinhas poedeiras – desse total, 80 mil geram dejetos para um biodigestor instalado na propriedade.Parte do gás é transformada em energia elétrica e outra parte passa por um processo de filtragem para abastecer os veículos de Itaipu e uma caminhonete da propriedade. O índice de pureza do metano para ser utilizado como combustível veicular deve ser superior a 96%.

“A nossa região não tem gás fóssil, mas tem o gás verde (produzido em biodigestores). Somente a produção do biometano da Granja Haacke poderia abastecer mais de 200 táxis de Foz do Iguaçu”, afirmou Rodrigo Regis, citando que o Paraná usa menos de 5% da capacidade de produção de biogás. “É um potencial fantástico.”


Atualmente, dos 249 veículos da frota da margem brasileira de Itaipu, 59 são movidos com biometano produzido na granja de Santa Helena; outros 14 serão incorporados à frota até o fim do semestre, substituindo veículos movidos a combustível líquido.Também até o fim do semestre, a Itaipu e o CIBiogás devem colocar em operação uma planta de produção de biometano dentro da usina, em frente ao Mirante do Vertedouro, para reforçar o abastecimento de veículos da frota.

Fenatran 2017 é apresentada ao mercado



A 21ª edição da FENATRAN – Salão Internacional do Transporte Rodoviário de Cargas – que acontece de 16 a 20 de outubro deste ano, em São Paulo, deverá evidenciar o início da recuperação do setor, acompanhando alguns indicadores positivos, como o aumento da produção no agronegócio e o crescimento das exportações de caminhões e de implementos rodoviários.

Esse prognóstico otimista é partilhado pela organizadora da FENATRAN 2017, Reed Exhibitions Alcantara Machado, e pelas principais entidades que apóiam o evento, como a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores), Anfir (Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários) e NTC & Logística (Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística).

O anúncio das boas perspectivas para o setor, apesar do fraco desempenho do mercado e da economia no ano passado, fez parte do evento de lançamento da FENATRAN 2017 para expositores e imprensa, no dia 17 de janeiro, no São Paulo Expo, local onde pela primeira vez será realizada a Feira (as edições anteriores aconteciam no Pavilhão de Exposição do Anhembi).

São esperados para o evento deste ano mais de 60 mil visitantes, com representantes de todos os 27 estados, além de outros países, principalmente da América Latina. Entre as marcas que já confirmaram participação na FENATRAN 2017 estão DAF, MAN, Mercedes-Benz e Volvo. De acordo com pesquisa realizada pela Reed Exhibitions na última edição da Feira, 98% dos visitantes reconhecem o evento como o principal no setor e como a marca amplamente consolidada no mercado. Além disso, 86% acreditam que a participação na FENATRAN foi importante para entender a movimentação do mercado atual.

A FENATRAN 2017 contará com mais de 450 marcas expostas, superior ao da última versão, em 2015, que ficou em 320 marcas, de acordo com Gustavo Binardi, diretor de Eventos da Reed Exhibitions. Igualmente otimista, o presidente da Anfavea, Antonio Megale, está com grande expectativa com a FENATRAN em razão de vários fatores: “Começamos a ver diversos sinais positivos na economia, o evento estará em um local novo e os produtos expostos serão extremamente modernos e tecnológicos. A conjunção disso tudo nos faz acreditar que teremos uma das melhores exposições da história”. Segundo Megale, espera-se para este ano um “incremento na produção de veículos pesados, que inclui caminhões e ônibus, da ordem de 26%, chegando a 100 mil unidades, e um aumento de exportações de 10%.”

O presidente da Anfir, Alcides Braga, também acredita em um crescimento no setor de implementos rodoviários, que segundo ele estará em torno de 10%, e aponta as razões que fundamentam esse desempenho, como a estabilização da economia a partir do segundo semestre, maior produção de grãos e incrementos das ações de investimentos proporcionados pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

 Outro dado que dá ânimo ao setor de implementos rodoviários, ainda de acordo com Alcides Braga, é o resultado do convênio da Anfir com a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), que tem por objetivo incentivar as exportações da indústria produtora de implementos rodoviários por intermédio de ações estratégicas realizadas com a orientação da agência. A estimativa é a de exportar cerca de US$ 35 milhões para compradores de países da América do Sul, neste ano, por conta, inclusive, de ter mais compradores estrangeiros em relação ao ano passado. 

Novas iniciativas e conteúdos
A Reed Exhibitions destacou que um dos grandes ganhos de qualidade da FENATRAN 2017 é a produção de conteúdo qualificado para visitantes e expositores por meio dos eventos paralelos à Feira, das pesquisas de satisfação realizadas com metodologias próprias e das palestras técnicas de capacitação e aprimoramento profissional e de negócios.

Entre as ações já programadas para este ano estão:

Premium Club Plus, clube de vantagens para os visitantes, com orientações para clientes e expositores a fim de facilitar a realização de negócios;

Encontro de Negócios, espaço exclusivo para que visitantes do Premium Club e expositores pré-selecionados entrem em contato e realizem negociações em um ambiente próprio;

Caravana de Compradores, ação conjunta com associações e sindicatos brasileiros, focada em trazer os profissionais do setor para visitar o evento;

FENATRAN Experience, onde o visitante poderá realizar o test drive das maiores e melhores marcas de caminhões no mercado;

Congresso FENATRAN, que terá uma ampla grade de conteúdos com especialistas do mercado que vão debater os principais assuntos e desafios do setor;

Ilha do Conhecimento, espaço direcionado a divulgações técnicas do mercado de transporte de cargas, através de palestras com os principais assuntos do setor, com entrada gratuita.

MOVIMAT – 32ª edição do Salão Internacional de Logística Integrada, um evento simultâneo à  FENATRAN 2017 que é voltado para toda cadeia logística da América Latina.

Quanto às pesquisas feitas pela Reed Exhibitions na versão anterior da FENATRAN, alguns números chamam a atenção: 62% dos visitantes buscam na Feira “pesquisar novos produtos e serviços”, enquanto 38% querem “pesquisar novos fornecedores” e 24%, “fazer networking com profissionais do setor”.






sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Dia Nacional do Fusca celebra ícone automobilístico mundial

Nesta sexta-feira 20 de janeiro milhares de fãs celebram o Dia Nacional do Fusca, automóvel que é considerado um dos mais importantes e carismáticos da história. Com mais de 21 milhões de unidades produzidas em todo o mundo, o Fusca tornou-se um ícone, amado por milhões de pessoas e com formas reconhecidas em todos os lugares.

O modelo saiu da linha de produção na Alemanha pouco depois do primeiro Natal após o fim da Segunda Guerra Mundial, em 1945. No Brasil, foi com ele que a Volkswagen iniciou suas operações, em 1953 – o modelo era montado em um galpão no bairro do Ipiranga. Seu motor tinha 1.200 cm³.

A partir de 1959 começou a ser fabricado no País, já na unidade Anchieta, até 1986. Sua produção foi retomada em 1993 e durou até 1996. Ao longo de toda a sua história, o Fusca teve mais de 3,1 milhões de unidades vendidas no Brasil.

Durante esse período o Volkswagen Sedan teve versões com motor de 1.300 cm³ (a partir de 1967, com 45 cv brutos), 1.500 cm³ (introduzido em 1970, com 52 cv brutos, o que lhe rendeu o apelido de Fuscão) e 1.600 cm³ (em 1974, com dupla carburação, que rendia 65 cv brutos). O câmbio foi sempre manual de quatro marchas. O modelo teve também várias reestilizações e séries especiais, como a Prata, de 1979.

Do original Volkswagen Sedan, o nome foi oficialmente substituído por Fusca em 1983. Em 1984, o modelo ganhou freios a disco na dianteira e passou a ser produzido apenas na versão 1.600 – no ano seguinte receberia versão 1.600 movida a etanol.

A combinação de baixo custo de aquisição e manutenção com uma resistência capaz de afrontar os caminhos e condições de uso mais difíceis transformou logo o pequeno Volkswagen em ponta de lança da motorização do Brasil. Mais de uma geração de motoristas brasileiros aprendeu a dirigir em um Fusca e optou por ele ao adquirir seu primeiro carro.

De importado a brasileiro
Os primeiros Volkswagen Sedan, fabricados na Alemanha, chegaram ao Brasil em 1950. Pequeno, com motor traseiro refrigerado a ar e um design totalmente diferente do tradicional à época, quando as ruas eram dominadas por grandes sedãs, o carro chamava a atenção por onde passava. Sua capacidade de transportar até cinco pessoas, baixo consumo de combustível e resistência mecânica logo começaram a conquistar consumidores.

O modelo da Volkswagen começou a ser montado no país, com componentes importados, já em 1953. A produção no Brasil começou em 1959, na primeira fábrica da Volkswagen fora da Alemanha, em São Bernardo do Campo.

A história do Fusca no Brasil tem uma particularidade: o retorno da fabricação em 1993, sete anos após sua paralisação, em 1986. A pedido do então presidente da República, Itamar Franco, o carro voltou a ser produzido, em uma versão movida exclusivamente a etanol, e parou de ser fabricado em 1996.

O Fusca foi o carro mais vendido no Brasil por 24 anos consecutivos, marca que foi superada apenas em 2011, por outro modelo Volkswagen: o Gol, líder do mercado por 27 anos.

Internacionalmente, o Fusca continuou a ser fabricado no México – onde é conhecido como "Vocho" – até 2003.

A tradição renovada: o New Beetle
A imagem do Beetle foi revivida pela Volkswagen em 1998, com o lançamento do New Beetle. Com linhas inspiradas pela versão original e construído sobre uma plataforma moderna, com tração dianteira e motor com refrigeração líquida, o New Beetle conquistou imediatamente um grande número de fãs, alcançando mais de 1 milhão de unidades vendidas até 2010.

Novo Fusca: o mais esportivo
O Novo Fusca chegou ao Brasil em 2012. Com linhas mais esportivas e tendo na dirigibilidade seu ponto alto, o modelo é equipado com o motor 2.0 TSI de 211 cv. O torque máximo, 280 Nm, é atingido já a partir de 1.700 rpm. Com câmbio DSG de dupla embreagem, o Fusca 2.0 TSI tem velocidade máxima de 224 km/h e acelera de 0 a 100 km/h em 6,9 segundos.

Roberto Nasser - De carro por aí

Coluna 0317 - 20.01.2017 - edita@rnasser.com.br

Curitiba ganha 2o Museu de Automóveis
Capital paranaense, famosa por sua estrutura de transporte urbano, pelas obras turísticas e mais recentemente por estar no noticiário diuturno pela intensa atividade para apurar e punir os mal feitos contra empresas públicas e Petrobrás, tem outro item de diferenciação: mais um museu de automóveis.

Agora, além do Museu do Automóvel administrado pelo Clube de Automóveis e Antiguidades Mecânicas, dentro do Parque Barigui, o colecionador Antônio Kowalski erigiu novo templo de admiração à cultura do automóvel. É o Curitiba Antique Car.

Foge e inova na disposição dos itens colecionáveis, veículos, automobilia. Kowalski, do ramo, reuniu veículos de sua predileção e propriedade, e criou cenários para abrigá-los, ilustrando-os com bonecos de cera. Ali estão, testemunhas silenciosas, cópias do presidente John Kennedy, do ator Arnold Schwaznegger, cantor Michael Jackson, do referencial Abraham Lincoln e por si só se constituem em atrações paralelas.

Fugindo à exposição estática, equipamentos de realidade virtual permitem a sensação de conduzir veículos antigos nos mais famosos autódromos.Ingressos a R$ 35,00. Estudantes, professores e pessoas com mais de 60 anos pagam meia entrada. Fica à Av. Manoel Ribas, 5.026, no conhecido bairro de Santa Felicidade.

Como será o mercado em 2017
Projeções de como será o mercado para o corrente ano partem de um ponto considerado boa notícia: o contínuo declínio de vendas foi detido. Ou seja, a herança de Lula e Dilma foi interrompida, estancando as demissões no setor. Recuperação é assunto no qual se tateia, variando o enfoque de êxito. Fenabrave, a federação reunindo revendedores autorizados prevê expansão de 5% sobre as vendas do exercício passado, na prática 2.085.680 unidades. Anfavea, associação dos fabricantes calcula contidos 6%, e no setor Carlos Zarlenga, presidente da GM tem a aposta mais forte na atividade: crê em ora entusiasmados 10% de produção e vendas ante o exercício passado.

Como
Se os números podem variar positivamente, qual será a forma de vender os veículos da série 2017?

Presidente da GM no Brasil disse no Salão de Detroit ao bom sítio argentino Autoblog manter a política de sua empresa, há 16 meses na liderança de vendas. O caminho adotado em seu pequeno período de comando na GM Argentina, foi adotar o figurino norte-americano: descontos e promoções.Fez isto no vizinho país, repetiu no Brasil e logo abriu a trilha seguida por outros fabricantes.

Pela declaração deve-se esperar exercícios de criatividade aritmética, by passes, transferindo entrada ou prestações, ou juros contidos, ou descontos líquidos, ou valorização dos usados; faturamento direto fabricantes-compradores creditando pequena comissão aos distribuidores. Na relação, Séries Brancas, nome para edições de vida fugaz com atrativos de composição e preço.

Se tal disputa ocorrer, será ótima para o consumidor preparado, pesquisador e com interesse em discutir descontos e facilidades. Aliás 2017 será outro ano da caça.

Sem alarde, o Audi A3 sedan 2017
Sinal de intensa competição no mercado, Audi antecipou mudança e já enviou à rede revendedora o modelo A3, 1,4 sedã. Sucesso no mundo e no Brasil. A ele agregaram-se tecnologias disponíveis em outras versões mais caras, com alteração frontal sinalizada por novos faróis em LED, lanternas, grade e para choques.

Internamente o incremento na incorporação de difusores de ar, console central, tela rebatível, volante, pomo da alavanca de marchas e painel virtual do A4.
Mecânica mantém o motor 1,4 turbo, com injeção direta, produzindo 150 cv de potência e 250 Nm de torque a simplórias 1500 rpm, versões gasálcool e etanol, câmbio com acionamento TipTronic e seis velocidades. A dotação mecânica gratifica sensações de aceleração de 0 a 100 km/h em 8,8 s e velocidade máxima de 215 km/h.

Mantidas as boas características de construção, com equilíbrio entre eixos, uso de alumínio na plataforma e suspensão para conter o peso em 1215 kg.
Duas versões, Attration e Ambiente, esta em dois níveis: Design, com bancos em couro sintético e teto solar; e Plus com retrovisor anti ofuscante, computador com display colorido e Audi Sound System.

Preços competitivos: Attraction R$ 115 mil e Ambiente R$ 124 mil.

Dakar, suas certezas e surpresas
Encerrado o Rallye Dakar, este ano disputado em Argentina, Bolívia e Paraguai, resultados variados: quase certeza, com vitórias variadas: de uma das três equipes melhor preparadas e de maior investimento na prova; surpresa com o brasileiro Danilo Torres vencendo na categoria UTV; e graça geral, a chegada de equipe argentina com veículo misto, cruza de picape velho como motor de Chevrolet Camaro novo.

Dentre as dúvidas, se em 2018 o Dakar virá novamente para a América do Sul. Neste ano, por conta das chuvas e alagamentos a prova teve interrupção e suspensão de duas etapas em nome da segurança. Crê-se, em torno de 1.500 km tenham sido suprimidos.

O Dakar, antes chamado Paris-Dakar, distância onde era disputado ao seu início, fugiu da África evitando crises politicas, encontrando na orografia da América do Sul seu melhor habitat, além de patrocinadores de países e estados por onde passa. Oferece enorme poder de divulgação, motivando grandes investimentos para buscar bons resultados permitindo associar a marca à capacidade de vencer em terrenos  sáfaros.  Investimento grande, nesta edição não contou com a presença oficial da Mitsubishi, sempre uma das principais concorrentes. Os custos e o novo controle acionário pela Renault determinaram a saída.

Peugeot venceu nos três primeiros lugares, com 30038DKR; Toyota fez 4o e 5º, Mini 6o e as três marcas se embolaram até o 10o posto.

Mini, marca BMW, levou time grande: 8 veículos. Chegou com sete e marcou sexta posição com modelo John Cooper Works Rally – Cooper foi piloto inglês preparador de Minis para corridas, nome de relevo na Europa, aproveitado pela Mini para identificar o carrinho às vitórias esportivas.

Surpresa
Numa competição onde o dinheiro, as enormes verbas aplicadas pelas grandes marcas tem alijado o espírito esportivo, foi generosa surpresa um carro de construção artesanal, juntando um velho picape Rastrojero, pioneiro na indústria automobilística na Argentina, sobre suspensão frontal modificada e motor Chevrolet Corvette. Foi o carro de maior empatia junto ao público, ficando em 36o entre os 51 classificados.
-
Roda-a-Roda
Caça – Após a descoberta das emissões poluentes acima das normas pelos motores 2,0 Volkswagen, governos variados resolveram auditar o setor. EUA torceu o parafuso sobre a FCA, dizendo 104 mil picapes RAM diesel 3,0 estão na mesma situação. 

Não - FCA protestou duramente por seu CEO Sergio Marchionne: não somos criminosos. E politicamente disse tratar o assunto sob o governo Trump, esperando naturais mudanças nos organismos oficiais.

Pauta – Normalmente os assuntos automobilísticos do início do ano são sobre as novidades do Salão de Detroit. Neste 2017 outros temas se incluíram na agenda: acordos, multas, prisão de executivos da VW e da japonesa Takata.

Questões - O primeiro pelo Dieselgate, a fraude dos motores diesel. Outro, os inquantificáveis danos, ferimentos e mortes causadas por air bags defeituosos.

Mais – Indústria norte americana, japonesa, europeia, todas submetidas a questionamentos parametrizados às emissões, a grosso modo está enfrentando os Sergio Moro e as Lava Jato de lá.

Extra – No pacote para o futuro Ford anunciou no Salão de Detroit investimentos em veículos híbridos e montagem do centro City Soluctions  para soluções para mobilidade – na América do Sul analisam Buenos Aires e S Paulo -, ampliação do projeto Chariot, de compartilhamento baseado num aplicativo.

Fico – BMW manteve os investimentos para fazer Serie 3 no México, como anunciou em 2014. Ameaça de Donald Trump em sobretaxar veículos importados em 35% não abalou os alemães. Marca também opera fábrica nos EUA.

Questão - Ciclo de vida das empresas grandes supera o dos governos, e nem tudo prometido em campanha se materializa.

Ajuste – Recaro, fornecedora de bancos para carros esportivos e de nicho, novos conceitos na linha Adient direcionada a picapes e utilitários esportivos. Unem atitude esportiva e conforto ao dirigir.

Mais – Diversificando produtos além da lubrificação automotiva, Total fechou acordo com a Seppic. Farão ingredientes para linha diversa: produtos para pele, maquiagem, bloqueador solar ...

Da moda – Cinza Galante, dita luxuosa, marca-se por partículas perolizadas azul, verde e prata, produzindo efeito brilhante em tons escuros, sugerindo sofisticação. É a Cor Automotiva do Ano 2017 pela Axalta, líder setorial.

Caminho – Seu Relatório Global de Popularidade de Cores Automotivas 2016 indicou tendências por posição geográfica dos clientes. Prata lidera na Europa e EUA, 6% e 5%; Coréia, 7%. Cinza à frente: 17% Europa e 16% EUA. Na América do Sul 41% prefere o branco. Mais? Cinza Galante em  axalta.com/color.

Picape – Depois da surpresa da apresentação do Creta e do conceito STC – Sport Truck Concept -, Hyundai acelera lançamento pretendendo tê-lo no mercado em 2018. Utilizará a mesma plataforma do Creta, criada sobre as antigas de Tucson e Elantra.

Aula – Ideia de picape surgiu no Salão de Detroit 2015, ao expor agressivo conceito sobre plataforma Tucson. Entretanto lançamento e sucesso de vendas de Renault Oroch e Fiat Toro, fizeram a coreana mudar o rumo, e o fez com surpreendente e inusitada rapidez.

Mais – Depois do Cruze GM estuda produto para incluir na linha de produção em sua fábrica argentina de Rosário: será um SUV, possivelmente baseado nesta plataforma.

Apuro – DS, marca de luxo do conglomerado PSA – Peugeot Citroën, operando através da rede Citroën, em seu plano de iniciar-se como marca isolada a partir de 2018, iniciou selecionar revendedores para próxima expansão. Aos outros distribuiu circular informando suspender faturamento.

Combinação – Liberdade aos operadores de postos para estabelecer os preços de combustível gerou abuso aferido em sete cidades. Apurando conluio e cartel através dos sindicatos da categoria, o CADE, Conselho Administrativo da Defesa Econômica, do Ministério da Justiça, abriu processos em sete cidades.

Onde - Brasília, Belo Horizonte, Natal, São Luiz, João Pessoa, Goiânia e Joinville. Investiga outras seis.

Alfa - Abertas as inscrições para o Alfa Romeo Brasil 2017, encontro bienal os aficionados da marca em Caxambu, MG. Feriado de Corpus Christi, 15 a 18 de junho, Encontro de camaradagem, leve, bom conteúdo de palestras, custos palatáveis. Gosta? veja em www.alfaromeobrasil.com.br

Fórmula 1 Felipe Massa voltou ao seu lugar na equipe Williams de Fórmula 1, na revolução causada pela inesperada aposentadoria de Nico Rosberg. OOOO Filipe Nasser não obteve patrocínio suficiente. OOOO Axalta, de tintas e acabamentos, novo co patrocionador da equipe AMG Mercedes Petronas. OOOO

Gente Norberto Klein, ex Head da Mopar, marca de acessórios da FCA, transferido. OOOO Diretor Comercial América Latina e novos negócios da Magneti Marelli. OOOO Para lugar na Mopar, Francesco Abruzzesi, ex diretor geral da Citroën e diretor da GM. OOOO


Schaefer Yachts participa do Yachts Miami Beach com cinco barcos

O mercado americano cresce a cada dia para o estaleiro brasileiro Schaefer Yachts, sediado no polo náutico de Santa Catarina. 

Depois de entregar no fim de 2016 uma Schaefer 560 (56 pés) a cliente dos EUA e de participar do Fort Lauderdale International Boat Show (FLIBS) – a maior feira náutica do mundo – a indústria retorna a mais um evento de grande porte, também na Flórida: o Yachts Miami Beach 2017. Serão cinco barcos expostos na ocasião, entre 16 e 20 de fevereiro: as Phantom 30 3, 365 e 375 (entre 30 e 37 pés) e as Schaefer 560 e 640, esta última de 64 pés e que pode ser encontrada em versão com até quatro camarotes.


O Yachts Miami Beach transformará a Collins Avenue em uma multimilionária apresentação dos mais festejados barcos de todo o mundo e a empresa brasileira chega não somente em pé de igualdade com as concorrentes internacionais - também conta com vantagens frente aos outros estaleiros. 

Além da alta tecnologia envolvida na fabricação dos barcos, a Schaefer Yachts retomou a parceria com a Pininfarina, um dos maiores estúdios de design do mundo, para a produção de design dos interiores das Schaefer 640 e da recém-lançada Schaefer 510, cujo primeiro modelo foi entregue em dezembro.“O americano valoriza muito os grandes mestres do design e a parceria com a Pininfarina, além de resultar em um produto excepcional, fortalecerá nosso posicionamento neste mercado”, adianta Marcio Schaefer, presidente do estaleiro.

Toyota fecha acordo de pesquisa colaborativa para criação de sociedade baseada no hidrogênio nos Emirados Árabes Unidos

A Toyota Motor Corporation e a Masdar, companhia nacional de energia de Abu Dhabi (EAU), uma das maiores do mundo neste ramo de atuação, em parceria com o distribuidor de veículos Al-Futtaim Motors, fecharam, recentemente, acordo colaborativo para formatação de um programa de pesquisa em prol da exploração do uso potencial de energia proveniente de hidrogênio nos Emirados Árabes Unidos.

A principal premissa deste acordo é incentivar a cultura de sociedade sustentável e com baixa emissão de carbono. Como parte do programa, a Toyota iniciará testes demonstrativos de rodagem e reabastecimento do Mirai, modelo equipado com tecnologia de célula de combustível a hidrogênio, a partir de maio deste ano naquele país, ao passo que também instalará uma estação de abastecimento na mesma época.

A fabricante de veículos realizará uma série de testes de direção sob calor extremo, ambiente poeirento e outras peculiaridades climáticas e ambientais proporcionadas pela região. A Toyota também fornecerá arrendamentos de curto prazo para instituições governamentais dos Emirados Árabes, além de formadores de opiniões, a fim de promover uma melhor compreensão do funcionamento de um veículo movido à célula de combustível, com intuito de difundir o conceito principal das sociedades que têm como base o hidrogênio.

“Os Emirados Árabes Unidos possuem um vasto potencial para expansão da produção de hidrogênio. O país apresenta capacidade excedente em instalações e estações localizadas nas refinarias de petróleo e aexpertise para produzir hidrogênio como subproduto proveniente da soda cáustica, sem contar o potencial de geração de energia por meio das mega centrais de energia solar”, declarou Takeshi Uchiyamada,Chairman da Toyota Motor Corporation.

"À medida que o governo continua promovendo novas iniciativas e buscando a criação de uma sociedade baseada no hidrogênio, os Emirados Árabes Unidos serão capazes de emergir como líder mundial da próxima geração de energias limpas", acrescentou Uchiyamada.

Considerada principal nação produtora de petróleo, os EAU têm se tornado altamente dependente da commodity em sua indústria de base. O governo local lançou uma nova agenda nacional, denominada “Visão dos Emirados Árabes Unidos 2021”, que busca promover a qualidade do ar, a expansão do uso de energias limpas, com o fim de tornar o país líder mundial em qualidade de infraestrutura. O programa de pesquisa colaborativa entre as empresas explorará o potencial uso de hidrogênio na cidade de Masdar, construída por meio de princípios de design sustentável, destacando-se com um apelo urbano totalmente envolvido pela sustentabilidade.

O anúncio foi realizado durante a abertura da Semana da Sustentabilidade em Abu Dhabi, que conta com diversas conferências voltadas para o compartilhamento de ideias e planos que suportem o cumprimento das exigências do Acordo Climático de Paris e da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável ao elencar soluções práticas e inovadoras em políticas, investimentos, tecnologia e parcerias, com foco em medidas governamentais e privadas.

Desafio Ambiental 2050

Em 2015, a Toyota também lançou o seu Desafio Ambiental 2050, que direciona a companhia para uma atuação constante no desenvolvimento de sociedades sustentáveis. A fabricante listou uma série de iniciativas para cumprir os principais desafios ambientais no seu segmento de atuação, incluindo a redução de até 90% na emissão de CO2 em carros novos, entre outras atividades.

Caucaia é a cidade cearense escolhida para sediar a chegada do Rally Piocerá


Um desafio off-road de aproximadamente 1 mil quilômetros pelo sertão do Piauí e Ceará. No dia 23 de janeiro, começará mais uma edição do Rally Piocerá que terá início na cidade de Teresina (PI) e término em Caucaia (CE), no dia 28. Serão quatro dias de disputas e três pernoites, com paradas em Piripiri (PI), Viçosa (CE) e Sobral (CE). Conhecido como um dos maiores eventos fora-de-estrada do País, o Rally Piocerá (Rally Cerapió) completa 30 anos de realizações - um feito que nenhuma outra competição do gênero tem no Brasil.


"Uma receita que deu certo e que a cada ano recebe bons incrementos. Com quatro participações no Piocerá / Cerapió, seguiremos para a nossa quinta disputa e teço muito elogios à ela. A organização do rali escolhe a dedo os percursos, que passam por regiões inóspitas e com nível técnico de dificuldade inquestionável; e tudo isso, privilegiando as belezas e histórias de tais lugares", elogiou o piloto Roberto Bontempo, que em 2015 foi campeão da categoria Graduados. 

Ao lado de Bontempo, estará o navegador Leonardo Martins. Juntos, eles buscarão mais um título no Piocerá e têm grandes chances para isso. "Somos uma equipe presente nas principais provas do País e nas mais diversas localidades, encarando grids com diversas feras do esporte. Por isso, acredito que estamos bem preparados e com a dupla afinada para buscar um bom resultado", disse Martins. Eles brigarão pelo pódio da categoria carros 4x4 - Máster, e são representantes da Araponga Rally.

De acordo com a organização do certame, a Radical Produções, o primeiro dia de disputa será o mais técnico de todas as edições Piocerá, e já poderá definir os campeões de 2017. Haverá vários balaios que exigirão extrema atenção, habilidade e rapidez dos competidores, além de alças que poderão se transformar naquele detalhe fundamental para a vitória (ou perda dela). 

O trecho entre Teresina e Piripiri apresentará florestas naturais, trechos de
carnaúbas e matas fechadas, em sete horas de concentração. "Já sabemos que a primeira etapa será complicada e, por isso, não podemos nos desesperar com pequenos erros cometidos. 

Sabemos que etapas com alto nível de dificuldade oferecem também a pressão psicológica, então, para vencer este dia e obter vantagem sobre nossos adversários, adotaremos uma estratégia onde cautela, paciência e foco serão a prioridade, de modo que se cometermos alguns deslizes, eles não serão capazes de nos desestabilizar. Precisamos estar sempre prontos para uma recuperação imediata", refletiu a navegadora Rosi Vasconcelos, que terá como companheiro o piloto e marido, Miguel Sono. Eles disputarão a categoria carros 4x4 - Graduados, também pela Arapongas Rally. 

O Piocerá 2017 abrirá os portões do parque de apoio no dia 23, próxima segunda-feira, no estacionamento externo do Teresina Shopping, onde permanece até o dia 25, quarta-feira, com a largada da primeira etapa. O evento reunirá participantes das categorias bikes, carros 4x4 regularidade, motos, quadriciclos e UTVs.