segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Velo Città assiste novas vitórias de Felipe Fraga e Átila Abreu.


A nona etapa da temporada 2018 da Stock Car, disputada neste domingo (23) em Mogi Guaçu (SP), foi quase uma repetição da rodada dupla de 2017. Os vencedores, pelo menos, foram os mesmos: Felipe Fraga venceu a corrida 1, em sua 100ª participação na Stock Car, e Átila Abreu triunfou na segunda prova.

O público compareceu em peso ao autódromo do Velo Città, sob um calor de 33 graus. A temperatura da pista em 62 graus trouxe um fator a mais para os pilotos lidarem durante as disputas no técnico circuito de 3.438 metros. Quem se deu muito bem foi o líder do campeonato Daniel Serra, que se recuperou de uma etapa negativa em Cascavel, onde não pontuou, para ser o maior pontuador deste domingo ao conquistar dois segundos lugares.

Corrida 1 - Na primeira disputa do dia, deu Felipe Fraga. O piloto da Cimed Chevrolet Racing, que completou sua 100ª corrida na Stock Car, largou da segunda posição, perdeu um posto na largada e contou com infortúnios de seus adversários para garantir sua terceira vitória na temporada. 

Saindo na pole, Marcos Gomes manteve a liderança na largada e ganhou a companhia de Gabriel Casagrande, que fez excelente saída para tomar o segundo lugar de Felipe Fraga. Na sétima volta, o líder recebeu o aviso da direção de prova de que devia se dirigir aos boxes para consertar a luz de freio traseira, que não funcionava – e o regulamento determina que as luzes estejam em pleno funcionamento. O campeão de 2015 entrou nos boxes no final da nona volta e optou por abandonar a disputa e retornar na segunda corrida enquanto o time procedia com o reparo.

Na 12ª volta, Lucas di Grassi tomou o sexto lugar de Julio Campos. No giro seguinte, o líder Casagrande fez sua parada de box e trouxe Felipe Fraga consigo. Na disputa dos pit stops, Fraga levou a melhor, enquanto o piloto da Vogel entrava em desespero: quando seu carro saiu, a roda traseira direita se soltou, forçando-o a parar.

Depois que todos fizeram suas paradas, Fraga se consolidou na frente, com Daniel Serra em segundo e Cacá Bueno fazendo pressão no líder da temporada. No final, as coisas ficaram ainda mais tranquilas para Felipe Fraga, já que o safety car interveio depois que o carro de Rafael Suzuki ficou parado na pista, recebendo a bandeira quadriculada em bandeira amarela.

“Essa vitória foi muito especial aqui no Velo Città por ser minha corrida 100 e, principalmente, por seguir ainda mais forte na disputa pelo título do campeonato com a Cimed Racing. Agradeço todos do box, o nosso pit-stop foi perfeito e vamos seguir na luta pelo bicampeonato”, afirmou o tocantinense, que viu, no fim da etapa, sua diferença para o líder Serra subir de 12 para 17 pontos.


Corrida 2 - A segunda prova também foi quente e disputada. A vitória no complemento da rodada dupla ficou com Átila Abreu, que assim como Felipe Fraga, vencedor da primeira corrida, repete o resultado obtido no autódromo do interior paulistano em 2017. Daniel Serra, maior pontuador da etapa, fechou novamente em segundo, com Rubens Barrichello indo ao pódio com o terceiro lugar.

A prova começou com alguma dose de tensão, especialmente para o primeiro piloto do grid. O carro de Felipe Lapenna, que largaria da pole na inversão dos dez primeiros colocados da primeira prova, apagou na hora de sair para a volta de apresentação. Assim, a dupla da Shell V-Power – Átila Abreu e Ricardo Zonta – largou na frente. Nelsinho Piquet fez largada espetacular pulando da quarta para a segunda posição na saída, superando Átila Abreu e ficando atrás apenas de Zonta.

Logo depois, Átila retomou o segundo lugar, mas Nelsinho continuou fazendo pressão e tendo Lucas di Grassi atrás de si. Na quarta volta, o piloto da Hero ultrapassou o concorrente para assumir a terceira posição.

Na sétima volta, Bia Figueiredo perdeu o controle do carro na curva 1 e acabou acertando Gabriel Casagrande. A batida causou a entrada do carro de segurança enquanto Zonta e Abreu lideravam a corrida, com Di Grassi e Piquet em terceiro e quarto.

Na relargada, Zonta conseguiu abrir margem enquanto Átila tentava se defender da pressão de Lucas di Grassi, Nelsinho Piquet e Daniel Serra. O líder do campeonato usou o push to pass para ultrapassar Piquet na abertura da 12ª volta. No final do giro, Zonta foi para os boxes fazer seu pit stop. Seu companheiro de equipe parou duas voltas depois e retornou à frente. Di Grassi abandonou após um toque com Pizzonia quando saía de sua parada de box.

Atrás de Thiago Camilo, o sexto colocado, Felipe Fraga e Ricardo Maurício tentavam subir posições em uma briga envolvendo os três carros, e que logo ganhou a companhia de Valdeno Brito e Nelsinho Piquet. Serra pressionava Zonta pelo segundo lugar, usou o push e tentou passar por fora na primeira curva; sem sucesso, ganhou a companhia de Rubens Barrichello na disputa pelo segundo lugar.

Átila respirava tranquilo com mais de três segundos de vantagem na frente. Na abertura da última volta, tanto Serra como Barrichello ultrapassaram Ricardo Zonta, impedindo a dobradinha da equipe. No fim, a vitória ficou com Átila Abreu, também repetindo o desempenho de 2017, quando venceu a segunda corrida no Velo Città; Daniel Serra repetiu o segundo lugar na primeira prova e Rubens Barrichello fechou o pódio na terceira posição. 

“O calor trouxe muito desgaste, e o que mais pegou foi a temperatura do asfalto, que chegou a 62 graus. São 12 curvas, subidas, descidas e uma reta não muito longa. Juntando tudo isso, pode-se imaginar o desgaste para o piloto e o equipamento. Eu e o Zonta tínhamos um ritmo parecido, e quando ele fez o pit eu tratei de forçar o ritmo usando o push para abrir vantagem; no meu abastecimento, coloquei pneus novos e o carro ficou perfeito, com um equilíbrio sensacional. Fui abrindo distância e nas últimas voltas eu só administrei. Foi um final de semana muito positivo para todos da equipe, e estou muito satisfeito”, disse Átila, que se coloca como o maior vencedor da temporada com três triunfos, empatado no quesito com Felipe Fraga e Lucas di Grassi.

A tabela do campeonato traz algumas mudanças importantes após a etapa de Mogi Guaçu. Daniel Serra, que depois de não pontuar em Cascavel sai do interior paulista como o maior pontuador da etapa, abriu mais cinco pontos de vantagem e agora tem 17 sobre Felipe Fraga (234 a 217).

Cacá Bueno é o novo terceiro colocado na tabela, com 163 pontos, enquanto Rubens Barrichello também subiu de quinto para quarto com o terceiro lugar conquistado neste domingo, somando agora 161 – apenas um à frente de Marcos Gomes. Max Wilson (159), Julio Campos (157), Átila Abreu (141), Ricardo Zonta (122) e Lucas di Grassi (115) fecham os dez primeiros da classificação geral da Stock Car após nove etapas.

Faltando três para o encerramento da temporada, o próximo compromisso da principal categoria do automobilismo brasileiro acontece em Londrina (PR) no dia 21 de outubro.

Resultado da Corrida 1*:
1. 88 Felipe Fraga (Cimed Chevrolet Racing) - 27 voltas em 41min53s283
2. 29 Daniel Serra (Eurofarma RC) - a 2.478
3. 0 Cacá Bueno (Cimed Chevrolet Racing) - a 7.258
4. 4 Julio Campos (Prati-Donaduzzi Racing) - a 13.434
5. 11 Lucas Di Grassi (Hero Motorsport) - a 14.819
6. 21 Thiago Camilo (Ipiranga Racing) - a 15.072
7. 33 Nelson Piquet Jr (Full Time Bassani) - a 16.623
8. 10 Ricardo Zonta (Shell V-Power) - a 17.803
9. 51 Átila Abreu (Shell V-Power) - a 18.960
10. 110 Felipe Lapenna (Cavaleiro Contuflex) - a 23.079
11. 111 Rubens Barrichello (Full Time Sports) - a 23.603
12. 90 Ricardo Maurício (Full Time Sports) - a 24.859
13. 18 Allam Khodair (Blau Motorsport) - a 25.200
14. 12 Lucas Foresti (Cimed Chevrolet Racing Team) - a 34.875
15. 44 Bruno Baptista (Hero Motorsport) - a 43.348
16. 20 Ricardo Sperafico (Bardahl Hot Car) - a 59.984
17. 3 Bia Figueiredo (Ipiranga Racing) - a 1:47.431
18. 65 Max Wilson (Eurofarma RC) - a 1 volta
19. 77 Valdeno Brito (Eisenbahn Racing Team) - a 1 volta
20. 28 Galid Osman (Cavaleiro Sports) - a 1 volta
21. 46 Vitor Genz (Eisenbahn Racing Team) - a 3 voltas
22. 8 Rafael Suzuki (Bardahl Hot Car) - a 6 voltas
NÃO COMPLETARAM:
23. 1 Antonio Pizzonia (Prati-Donaduzzi Racing) - a 8 voltas
24. 5 Denis Navarro (Cavaleiro Sports) - a 9 voltas
25. 83 Gabriel Casagrande (Vogel Motorsport) - a 9 voltas
26. 80 Marcos Gomes (Cimed Chevrolet Racing Team) - a 17 voltas
27. 30 Cesar Ramos (Blau Motorsport) - a 19 voltas
28. 70 Diego Nunes (Full Time Bassani) - a 24 voltas
29. 9 Guga Lima (Vogel Motorsport) - a 25 voltas
MELHOR VOLTA: Marcos Gomes, 1min30s396 (136,9 km/h)
*Resultados sujeitos a verificações técnicas e desportivas

Resultado da Corrida 2*:
1. 51 Átila Abreu (Shell V-Power) - 26 voltas em 42min46s284
2. 29 Daniel Serra (Eurofarma RC) - a 2.280
3. 111 Rubens Barrichello (Full Time Sports) - a 2.656
4. 10 Ricardo Zonta (Shell V-Power) - a 3.723
5. 4 Julio Campos (Prati-Donaduzzi Racing) - a 6.300
6. 88 Felipe Fraga (Cimed Chevrolet Racing) - a 9.381
7. 90 Ricardo Maurício (Full Time Sports) - a 11.692
8. 77 Valdeno Brito (Eisenbahn Racing Team) - a 13.540
9. 33 Nelson Piquet Jr (Full Time Bassani) - a 13.891
10. 44 Bruno Baptista (Hero Motorsport) - a 15.091
11. 28 Galid Osman (Cavaleiro Sports) - a 16.314
12. 80 Marcos Gomes (Cimed Chevrolet Racing Team) - a 18.401
13. 18 Allam Khodair (Blau Motorsport) - a 25.848
14. 70 Diego Nunes (Full Time Bassani) - a 26.255
15. 5 Denis Navarro (Cavaleiro Sports) - a 27.016
16. 9 Guga Lima (Vogel Motorsport) - a 27.688
17. 65 Max Wilson (Eurofarma RC) - a 28.700
18. 12 Lucas Foresti (Cimed Chevrolet Racing Team) - a 29.022
19. 20 Ricardo Sperafico (Bardahl Hot Car) - a 37.675
20. 21 Thiago Camilo (Ipiranga Racing) - a 49.500
21. 8 Rafael Suzuki (Bardahl Hot Car) - a 1 volta
22. 30 Cesar Ramos (Blau Motorsport) - a 2 voltas
23. 46 Vitor Genz (Eisenbahn Racing Team) - a 4 voltas
24. 1 Antonio Pizzonia (Prati-Donaduzzi Racing) - a 4 voltas
NÃO COMPLETARAM:
25. 11 Lucas Di Grassi (Hero Motorsport) - a 12 voltas
26. 83 Gabriel Casagrande (Vogel Motorsport) - a 19 voltas
27. 3 Bia Figueiredo (Ipiranga Racing) - a 19 voltas
28. 0 Cacá Bueno (Cimed Chevrolet Racing) - a 24 voltas
29. 110 Felipe Lapenna (Cavaleiro Contuflex) - a 25 voltas
MELHOR VOLTA: Marcos Gomes, 1min30s142 (137,3 km/h)
*Resultados sujeitos a verificações técnicas e desportivas

Classificação do Campeonato (Top-10):
1. Daniel Serra – 234 pontos
2. Felipe Fraga – 217
3. Cacá Bueno – 163
4. Rubens Barrichello – 161
5. Marcos Gomes – 160
6. Max Wilson – 159
7. Julio Campos – 157
8. Átila Abreu –141
9. Ricardo Zonta – 122
10. Lucas di Grassi - 115


JAGUAR XE PROJECT 8 BATE NOVO RECORDE DE VELOCIDADE



O superesportivo Jaguar XE SV Project 8 confirmou seu status como o veículo de quatro portas mais rápido do mundo ao estabelecer um novo recorde nos EUA.

O sedã de 600 cv e 321 km/h de velocidade máxima, completou uma volta no WeatherTech Raceway, Laguna Seca – de 2.238 milhas – em 1min 37.54s. Com o piloto Randy Pobst ao volante, o tempo foi quase um segundo mais rápido do que o anterior sedã de produção.

O Jaguar mais extremo já produzido, o XE SV Project 8 é um sedã com desempenho genuíno de supercarro. Os engenheiros da Divisão de Operações de Veículos Especiais da Jaguar Land Rover (SVO) sintonizaram o carro em algumas das pistas de teste mais emocionantes do mundo, incluindo a famosa Nürburgring Nordschleife da Alemanha. No final do ano passado, o XE SV Project 8 rodou o circuito de 12,9 milhas e bateu um recorde de 7min 21,23s.

O Project 8 é a última expressão em sedã esportivo da Jaguar. Embora baseados na carroceria leve em alumínio do XE, cada um dos 300 Project 8 construídos à mão foram modificados no SV Technical Center, em Coventry, para acomodar o motor V8 supercharged de 5.0 litros, especialmente ajustado, e um diferencial traseiro sob medida.

Ao contrário da maioria dos sedãs de produção de alto desempenho, o XE SV Project 8 com tração nas quatro rodas é cravejado com tecnologia genuína de automobilismo, como rolamentos de roda de cerâmica estilo Fórmula 1, altura de deslocamento ajustável e cambagem ajustável.

Os paralamas dianteiros e traseiros são feitos sob medida para acomodar rodas maiores e mais largas, que são necessárias devido aos freios maiores. A potência do V8 é distribuída pelos quatro pneus Michelin Pilot Sport Cup 2 por meio de uma transmissão automática Quickshift ZF de oito velocidades, ajudando a impulsionar o carro de 0 a 100 km/h em 3,7 segundos e uma velocidade máxima limitada eletronicamente de 321 km/h.

Para alcançar este desempenho, o carro recebe melhorias significativas na aerodinâmica e na suspensão, incluindo um “modo de pista" para máxima sustentação negativa e melhorias adicionais na resposta de amortecimento, aceleração e direção.

O Project 8 está disponível em duas especificações. O modelo padrão de quatro lugares apresenta os mais recentes assentos frontais da Jaguar com estrutura de magnésio, além de assentos traseiros com mais contornos para maximizar o apoio. O pacote opcional de dois lugares inclui assentos de corrida de fibra de carbono dianteiros leves com arreios de quatro pontos fixados a um aro de retenção no lugar do assento traseiro.

O Project 8 tem um preço de £149.995 no Reino Unido, embora a Jaguar do Brasil não faça a intermediação dessa compra. Clientes interessados em informações adicionais podem visitar:

Volvo CE lança sua nova vibroacabadora


A Volvo Construction Equipment está lançando sua nova vibroacabadora sobre esteiras P4820D ABG, voltada para pavimentações de 2,5 a 6,5 metros de largura. Desenvolvida para projetos rodoviários que demandam elevada qualidade, a máquina é voltada principalmente para pavimentação urbana e de estradas que precisam de grande apuro técnico. 

O modelo introduz a terceira geração do EPM (Electronic Paver Management), um avançado sistema eletrônico de gestão da pavimentação que fornece informações e permite ajustes precisos de forma rápida, tanto da mesa como da unidade tratora. “É um sistema para ajuste fundamental para assegurar a qualidade, produzindo uma camada asfáltica sem ondulações e irregularidades, correspondentes aos índices IRI mais exigentes.

Buscando assegurar que, uma vez iniciada a operação de pavimentação, ela não pare, o EPM3 inclui sistemas de redundância. Por exemplo, em caso de algum dos três painéis ficar inoperante, todas as funções podem ser controladas a partir dos painéis restantes.

A P4820D ABG tem uma bem posicionada plataforma na unidade tratora, permitindo ao operador estender o assento e ter excelente visualização do silo e do processo de basculamento do material, e da área de pavimentação e da mesa. Outra vantagem é a grande capacidade do silo, de 12 toneladas, que fornece alimentação ininterrupta e automática de material, mantendo a máquina em uma velocidade constante, reduzindo paradas e arranques e resultando em um acabamento mais liso.

O operador tem visibilidade total, sem obstáculos, ao redor de toda a vibroacabadora, do silo, do canal do distribuidor helicoidal e da mesa. Com visão mais clara, aumenta o desempenho e a qualidade do trabalho. E o revestimento antiderrapante do posto do operador e os corrimãos proporcionam estabilidade ao transitar sobre o equipamento.

Para trabalhos noturnos, o equipamento pode ser configurado, opcionalmente, com luzes de trabalho que ajudam em condições de baixa luminosidade. Duas luzes para iluminação frontal, duas para a área atrás da máquina e duas laterais adicionais aumentam a visibilidade. A iluminação pode ser aumentada usando até 10 luzes LED ou de balão.

O design do material rodante tem um sistema automático de tensionamento das esteiras, que foi ainda melhorado. O desenho inovador das sapatas de borracha das esteiras permite fixação aparafusada mantendo sua superfície completamente lisa, o que reduz as marcações, prolonga sua vida útil e facilita a troca, em comparação com os outros equipamentos disponíveis no mercado.

Embarcações para pesca, mergulho e lazer serão apresentadas no São Paulo Boat Show 2018


A alta perfomance, a resistência do casco e a capacidade de navegar a longas distâncias tornaram as embarcações da marca Fishing Raptor as mais procuradas para a prática de pesca oceânica, mergulho e outros esportes aquáticos. A combinação de sua estrutura para os esportes com os ambientes para lazer, banhos de sol e pernoite (nos modelos cabinados) justifica a sua versatilidade sobre as águas.

Embarcações de sucesso da marca, com valores que partem de R$ 190 mil, poderão ser visitadas durante o São Paulo Boat Show, de 27 de setembro a 2 de outubro no São Paulo Expo. Confira:

Fishing 240 CC
A Fishing 240 CC é indicada para quem quer comprar seu primeiro barco ou ter uma segunda embarcação para esportes e lazer. Espaços para armazenamento de materiais esportivos, assentos estrategicamente posicionados para pesca, banco na popa rebatível e áreas para lazer e descanso são características deste modelo com capacidade para até 8 pessoas.

Fishing 250 WA
Lançada há poucos meses, a Fishing 250WA também promete fazer sucesso no São Paulo Boat Show. Com acabamentos impecáveis e projeto que prioriza o aproveitamento de espaços para lazer e esportes, se destaca pela qualidade construtiva que pode ser observada em seu interior, como é o caso da ampla cabine para pernoite, área para refeições e banheiro. Espaços estrategicamente desenvolvidos para guarda de equipamentos de pesca e manipulação de peixes são mais atrativos aos amantes do esporte sem falar na tecnologia empregada para navegação.

Fishing 320 CC
Assim como as demais embarcações da Fishing Raptor, o modelo de 32 pés permite navegações a longas distâncias e ótima performance em razão do casco em “V” profundo e também à qualidade construtiva. Por isso, além de outros esportes aquáticos, é bastante procurada para a pesca oceânica. Os espaços foram estruturados criteriosamente para proporcionar conforto tanto ao lazer quanto aos esportes. Tem amplo cockpit, posto de comando, vários espaços para armazenamento, toalete e capacidade para até 12 pessoas. Pode receber até três motores de popa de baixo consumo ou dois motores diesel de centro ou centro rabeta.

Fishing 330 ST
Com cabine com cama de casal na meia-nau, sofá que pode ser convertido em cama adicional, cozinha e banheiro, a Fishing 330 Saint Tropez é mais um modelo da marca que estará exposta no evento náutico em São Paulo. No cockpit, área para refeições, central de comando e confortável solário de proa são mais características, além de um projeto que favorece a circulação e guarda de materiais para os esportes como a pesca.

Nas embarcações que serão apresentadas no evento, o estaleiro oferece opções de customização como motorização de popa, pintura externa, itens de conforto e acabamentos.

Estudo da Audi: sem congestionamento na cidade do futuro


Quanto tempo nós economizaremos em uma cidade com carros autônomos, compartilhamento de carona e gestão inteligente de tráfego? As respostas são apresentadas pelo estudo  “25ª Hora – Fluxo”, feito pela Audi. Em parceria com especialistas em tráfego do Karlsruhe Institute for Technology (KIT) e da consultoria MobilityPartners, de Munique (Alemanha), a pesquisa simulou o futuro da mobilidade em Ingolstadt, Alemanha. De acordo com o estudo, uma redução duradoura nos tempos de viagem pode ser alcançada em um deslocamento comum: em um terço de tráfego completamente automatizado, mesmo se houver 10% a mais de pessoas nas ruas. O pré-requisito é que a tendência de compartilhamento seja adotada.

Frotas de carros autônomos ajudarão a resolver problemas de tráfego nas cidades a longo prazo. Esses benefícios tornam-se ainda mais evidentes quando associados a uma gestão de tráfego mais inteligente e a uma taxa de ocupação mais elevada, ou seja, aumentando o número médio de pessoas por carro. Se esse número subir moderadamente de 1,1 para 1,3 pessoas, porque mais pessoas compartilham um carro, não haverá mais congestionamento na hora do rush. Em um sistema de tráfego em rede totalmente automatizado, mais pessoas (+12%) podem ser transportadas muito mais rapidamente (-33%) em tráfego de passageiros.

Veículos conectados, autônomos e compartilhados também oferecem às cidades novas oportunidades de uso e realocação de espaço para melhorar a qualidade de vida urbana. Por exemplo, o estudo descobriu que a incorporação de veículos totalmente autônomos poderia redirecionar uma faixa de tráfego em uma rede de quatro faixas e dedicar esse novo espaço a pedestres ou a bicicletas em vez de veículos. O estudo leva em conta que, com um número crescente de carros autônomos, mais cidadãos idosos e crianças teriam acesso à mobilidade, e convenientes táxis-robôs competiriam com o transporte público local.

O estudo também examina cenários mais extremos. Por exemplo, o que aconteceria se houvesse um aumento acentuado no número de pessoas que usam transporte público, caminham ou viajam de bicicleta? Qual seria o efeito de altos níveis de tráfego de entrega como resultado de compras online? E o que aconteceria se as cidades não permitissem carros autônomos ou se fossem lentas ou relutantes em digitalizar sua infraestrutura? Os resultados variam de tempos de viagem mais curtos no tráfego de passageiros (-40%) até engarrafamentos.

No modelo de tráfego para Ingolstadt, os pesquisadores investigaram apenas um parâmetro isoladamente, sem levar em conta mudanças no comportamento do usuário ou aumento da demanda: quantos carros autônomos seriam necessários hoje para tornar o fluxo de tráfego notavelmente melhor? No mínimo, 40%! Os computadores mantêm a distância necessária para outros veículos, não dirigem muito rápido e obedecem a todos os sinais de trânsito. Entretanto, de acordo com diversos estudos acadêmicos, em uma situação de tráfego mista isso é uma desvantagem para o fluxo de veículos. Os tempos de viagem são diminuídos apenas com um número crescente de carros autônomos: se hoje as estradas de Ingolstadt fossem usadas apenas por autônomos, os tempos de viagem cairiam em um quarto.

Com seus cerca de 140 mil habitantes, Ingolstadt, a cidade onde fica a sede da Audi, é adequada como um “laboratório” para o fluxo de tráfego nas estradas, pois o tráfego é composto majoritariamente por veículos de quatro rodas: por razões históricas, há muitos automóveis e ônibus no local, mas não há metrô ou bondes. Essas condições aplicam-se em muitas cidades de tamanho médio em diferentes países.

Hoje, em média, os motoristas gastam cerca de 50 minutos por dia ao volante. No projeto “25ª Hora”, desde 2017, a Audi vem investigando como os carros autônomos mudarão nossa vida cotidiana. No futuro, continuaremos a gastar quase uma hora por dia no automóvel? Além disso, o tempo de viagem no carro autônomo pode ser bem aproveitado: os passageiros podem conversam, relaxar ou trabalhar. 

Em colaboração com o Instituto Fraunhofer de Engenharia Industrial (IAO), a Audi investiga como, por exemplo, o interior do veículo pode se tornar um local de trabalho ideal. Para os estrategistas e designers da Audi, as respostas para essas perguntas são altamente relevantes. Digitalização e urbanização transformam cidades, mobilidade e comportamento do usuário. Conceitos de automóveis, no entanto, estão sendo desenvolvidos hoje – e precisam se misturar de forma inteligente e eficiente com o desenvolvimento de sistemas de mobilidade no futuro.

Mitsubishi ASX ganha novidades na linha 2019


O Mitsubishi ASX é a combinação perfeita do 4x4 com a versatilidade. O motor bicombustível e todas as praticidades e comodidades para o dia a dia fortalecem ainda mais sua personalidade exclusiva.

O visual imponente e equilibrado ganhou novos elementos na linha 2019. A agressiva e robusta parte dianteira Dynamic Shield recebe nova grade que está em perfeita sintonia com o detalhe cromado na grade do radiador e o acabamento central do para-choque dianteiro que agora é prata ou preto, dependendo da cor do veículo.

Outra novidade está nas luzes DRL em led, que estão integradas ao para-choque, reforçam a segurança e dão um toque a mais de sofisticação. A parte traseira também ganhou novidades e está ainda mais robusta com o acabamento cromado na tampa do porta-malas e novo para-choque com lentes refletoras integradas.
Aliado ao novo visual estão as rodas diamantadas de 18”, equipadas com pneus “verdes” ecológicos de baixa resistência ao rolamento 225/55 R18. O visual ainda é reforçado com as molduras nas caixas de roda, que deixam o conjunto muito mais sofisticado. Para completar, a antena Shark do tipo barbatana de tubarão confere um design esportivo e aerodinâmico, além de melhorar a recepção do sinal de rádio.

Equipado com motor MIVEC Flex 2.0L, o ASX tem 170 cv e 23 kgf.m de torque quando abastecido com etanol. Graças ao sistema de partida a frio com QuickStart System sem reservatório, apresenta baixos níveis de emissão de poluentes.

O design inteligente permite ao modelo ser compacto por fora sem comprometer o bem-estar a bordo.Para ampliar a sensação de liberdade, há opção com o Sky View, um moderno teto panorâmico de vidro, além dos faróis de xênon com regulagem automática e lavador.

O sistema multimídia é moderno e conectado com tela Touch Screen capacitiva de 6,75“ e equipado com os mais modernos recursos de compatibilidade com smartphones, como Apple CarPlay e Google AndroidAuto com comando de voz, rádio AM/FM, MP3, bluetooth com áudio streaming e conexão USB.



Com o verdadeiro DNA 4x4 da Mitsubishi Motors como item de série, o ASX tem sistema eletrônico para acionamento da tração. Com um simples toque no botão localizado no console central, o motorista pode optar por conduzir o veículo em 2WD, para uso urbano e que proporciona mais conforto e economia de combustível; 4WD, para um uso mais esportivo, ideal para pistas sinuosas; e LOCK, que proporciona uma maior segurança em pisos com pouca aderência.


Com sistema sequencial Sports Mode e Paddle Shifters posicionados atrás do volante, permite a troca de marchas manual, deixando a sensação de dirigir ainda mais prazerosa. Além disso, o câmbio possui o exclusivo sistema INVECS III, que analisa o modo de dirigir de cada motorista, tornando as trocas de marcha adequadas ao gosto de cada um.

O ASX é compacto e com grande espaço interno, graças ao amplo entre eixos de 2,67 metros, que facilita as manobras. O design com linhas laterais marcantes imprimem leveza, não deixando de lado a ousadia característica deste modelo.O amplo porta-malas tem piso rebaixado, que facilita na hora de colocar e retirar as bagagens. 

O ASX é equipado com sistema de freios ABS com EBD (Electronic Brake-force Distribution), que garante uma perfeita distribuição de força de frenagem entre as rodas dianteiras e traseiras, em todas as situações.Aliado a este conjunto estão a suspensão dianteira independente McPherson, molas helicoidais, barras estabilizadoras e suspensão traseira Multilink, que garantem ao condutor maior controle do veículo, além de uma condução suave em terrenos irregulares.

Oferecido em três versões, ASX 2.0 AWD Flex + Teto + Xênon, ASX 2.0 AWD Flex e ASX 2.0 2WD Flex, o modelo está disponível nas concessionárias de todo o Brasil em oito cores: Prata Rhodium, Cinza Londrino, Prata Cool, Marrom Cacau, Azul Petróleo, Vermelho Rubi, Branco Fuji e Preto Ônix Pearl. O veículo tem três anos de garantia e a MitRevisão com preço fixo, que garante mais tranquilidade e comodidade aos clientes.


Valores
ASX AWD CVT Flex + TETO + XENON - R$ 130.990,00
ASX AWD CVT Flex - R$ 121.990,00
ASX 2WD CVT Flex - R$ 104.990,00

Motovelocidade: volta do ICGP ao Brasil é transferida para 2019


A volta do ICGP (International Classic Grand Prix) ao Brasil foi adiada para o final de 2019. Inicialmente, a realização da etapa brasileira do campeonato mundial de motos de GP clássicas ao País estava prevista para o próximo dia 2 de dezembro em Interlagos.

O primeiro ICGP Brasil, realizado em Goiânia em outubro de 2016, foi um sucesso e agradou bastante ao público e aos pilotos estrangeiros. Bob Keller, organizador do evento no Brasil e piloto da categoria, acertou a realização da etapa de encerramento do ICGP 2019 no Brasil, provavelmente em Interlagos

"Os pilotos europeus tem uma expectativa muito grande para correr em Interlagos, porque é um autódromo histórico, conhecido e respeitado lá fora. Será um ótimo espetáculo para o público, principalmente porque o ICGP Brasil trará a nostalgia das motos de Grande Prêmio de 2 tempos, pilotadas por campeões internacionais em competição acirrada."

Eric Saul (piloto, fundador e dirigente do ICGP Racing) formalizou seu apoio ao ICGP Brasil 2019 durante a etapa de Hockenheim, que marcou o encerramento do campeonato de 2018. O britânico Antony Hart foi o campeão da categoria 350 cm³. Na 250 cm³, o título ficou com o alemão Stefan Tennstädt; Bob Keller terminou o campeonato em terceiro lugar.

Mercedes-Benz e Grunner lançam caminhão com direção autônoma no Brasil


O extrapesado Axor 3131 é o primeiro caminhão Mercedes-Benz com direção autônoma a ser utilizado numa operação diária regular no Brasil. Fruto de uma parceria exclusiva com a Grunner, empresa de tecnologia para o campo, esse inédito modelo fora de estrada já opera 24 horas por dia na colheita da cana-de-açúcar no interior de São Paulo, região considerada a maior produtora do País.

Esse lançamento foi anunciado por Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz do Brasil e CEO América Latina, juntamente com Stefan Buchner, chefe mundial da Mercedes-Benz Trucks, na abertura do Salão Internacional de Veículos Comerciais – IAA 2018, maior evento mundial do setor, que está sendo realizado em Hannover, na Alemanha.

“Esse inovador Axor 3131 se destaca pela tecnologia e conectividade, que desenvolvemos em conjunto com a Grunner”, informa Philipp Schiemer. “A direção autônoma é controlada por um sistema que inclui piloto automático, GPS e georreferenciamento, sendo utilizada exclusivamente nos trechos mapeados da fazenda onde acontece a colheita”.

Segundo o executivo, dois caminhões Axor 3131 já estão em operação. “Unimos o conhecimento agrícola da Grunner e a expertise da Mercedes-Benz em caminhões fora de estrada para desenvolver um produto de avançada tecnologia e excelente desempenho e produtividade no transbordo de cana picada”, afirma Philipp Schiemer. “Como resultado, a solução da Grunner é aplicada com exclusividade nos caminhões da nossa marca, que atenderam plenamente às demandas do nosso parceiro. Ou seja, não somente As estradas falam. A Mercedes-Benz ouve. A Mercedes-Benz ouve também o campo. Aliás, ela ouve, faz e entrega o produto e a tecnologia que o cliente nos pede”.

“A operação do Axor com direção autônoma reforça o compromisso da Mercedes-Benz na introdução de novas soluções para os clientes no mercado brasileiro”, diz Philipp Schiemer. “Estamos alcançando assim um novo marco histórico no desenvolvimento de caminhões no Brasil”.

O novo Axor 3131 atua lado a lado com as colhedoras de cana, também de condução autônoma, que fazem a colheita e o corte, já lançando a cana picada diretamente na carroçaria do caminhão. A velocidade média dos veículos gira em torno de 6 km/h na área da colheita.

Terminado o carregamento, o motorista assume o controle do Axor para a etapa de transbordo aos treminhões, ou seja, o descarregamento da carga nos caminhões de maior capacidade, que completam o ciclo de transporte levando a cana às usinas de açúcar e etanol.

“Essa operação inédita realizada com o Axor 3131 de direção autônoma vem ocorrendo durante 24 horas por dia na Agro Cana Caiana, na região de Lençóis Paulista”, informa Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas e Marketing Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil. “A utilização de caminhão, em substituição a tratores, agiliza o processo de transbordo dentro das fazendas, trazendo mais produtividade, menos consumo de combustível e menor custo operacional”.

A central de operações da Agro Cana Caiana cria, em seus computadores, as rotas de produção por meio de georreferenciamento, controlando a colhedora e o caminhão no campo via satélite. “Com alta precisão de centímetros, o caminhão só circula por onde o sistema indica, aumentando assim a produtividade da operação. Com uma bitola maior, até 3 metros, o caminhão opera sem passar por cima das áreas de plantio, preservando o solo e os brotos das futuras plantas”, completa Henrique Belei, sócio-proprietário da Agro Cana e diretor de engenharia da Grunner Tec.

Henrique Belei aponta muito mais ganhos com o Axor 3131 com direção autônoma em relação aos tratores: até 50% de redução no consumo de combustível, 40% a menos no consumo de lubrificantes e 30% a menos no custo de reparo e manutenção.

A Engenharia de Vendas da Mercedes-Benz teve um papel fundamental na criação de uma nova configuração do Axor 3131 para que o caminhão operasse com eficiência nas usinas de cana conectado ao sistema de direção autônoma da Grunner. O objetivo também foi oferecer um modelo dedicado a essa aplicação para assegurar maior capacidade de carga e reduzido consumo de combustível.

Itens do Axor 3131 com direção autônoma
- Antenas do GPS georreferenciado.
- Piloto automático integrado ao GPS para a direção autônoma.
- Display do sistema GPS junto ao painel de instrumentos do motorista.
- Instalação de 2º eixo direcional na parte dianteira, tornando o veículo, que sai de fábrica na versão 6x4, num caminhão canavieiro 8x4, com mais capacidade de carga e mais estabilidade. Aumento da capacidade de carga líquida para 40 m³ (18 toneladas): 4 transbordos completam a carga de um treminhão.
- Adequações para o alongamento das bitolas dianteira e traseira para 3 metros.
- Suspensão mista (metálica/pneumática) na dianteira e na traseira. A suspensão auxiliar pneumática realiza o nivelamento automático do caminhão em lugares com declive, aumentando a estabilidade do veículo e proporcionando mais segurança à operação.
- Pneus de alta flutuação, ideais para evitar compactação do solo nas operações no canavial.
- Grade de proteção dianteira.
- Protetor de cárter.
- Kit de proteção contra palha no motor, câmbio e caixa de bateria.

domingo, 23 de setembro de 2018

Felipe Drugovich é campeão antecipado na Europa


Felipe Drugovich venceu as duas corridas do Euroformula F3 Open no fim de semana em Monza, Itália, conquistando por antecipação o título de 2018. 

Ele que havia vencido a etapa de sábado da rodada dupla, largou na pole position e venceu de ponta a ponta a do domingo com perfeição. Fez duas ótimas largadas com muita frieza, principalmente a relargada em movimento após a saída do Safety Car, o resto foi administrar a prova até o fim.

“No começo os carros estavam bem próximos, mas investi no contorno da Ascari e da Parabólica, onde eu ganhava mais velocidade na saída”, explicou a estratégia. “Comecei abrir vantagem e depois foi mais administrar até o fim”, disse em meio às comemorações com familiares e o pessoal da equipe RP Motorsport.

A conquista antecipada do campeonato faltando ainda quatro corridas para o fim da temporada deve mudar a estratégia da equipe para o restante do ano. “Sem o compromisso de pontos, campeonato, a partir de agora podemos ousar mais no acerto do carro, testar, arriscar em novas configurações. O que não vai mudar é a motivação, garante Drugovich. Os próximos compromissos de Felipe com o Euroformula F3 Open são na Espanha. Nos dias 6 e 7 de outubro em Jerez e nos dias 20 e 21 de outubro em Barcelona.

Felipe Drugovich, 18 anos, é natural de Maringá, Paraná, de família ligada ao automobilismo. A Drugovich Motorsports, equipe de competições criada pelo tio Claudio Drugovich produzindo inclusive modernos caminhões de corrida. O tio Junior Drugovich foi o bicampeão brasileiro da modalidade.

Felipe começou no kart brasileiro aos oito anos, aos 13 anos, direcionou a carreira no kart internacional. Estreou no automobilismo
aos 16 anos, em 2016, no Alemão de Fórmula 4 da ADAC, foi recordista com sete vitórias, ficando em terceiro no campeonato.

Foi campeão do MRF Challenge 2017/2018 com 10 vitórias. Sua primeira corrida de fórmula 3 foi na etapa final da FIA F3, em Hockenheim. A primeira vitória veio logo na segunda, na etapa do Euroformula F3 Open em Barcelona. Agora campeão antecipado. Felipe Drugovich compete com apoio de Drugovich Auto Peças, Alpinestars e Stilo.

EUROFORMULA F3 OPEN – SEXTA ETAPA
Resultado da segunda corrida em Monza após 18 voltas)
1º) Felipe Drugovich (BRA/RP Motorsport), 28min47s097 
2º) Bent Viscaal (HOL/Teo Martin Motorsport), 
3º) Cameron Das (EUA/Carlin Motosport),  
4º) Matheus Iorio (BRA/Carlin Motorsport), a 12s273 
5º) Kaylen Frederick (USA/RP Motorsport), a duas voltas 
6º) Leonardo Lorandi (ITA/RP Motorsport), a 7s377 
7º) Guilherme Samaia (BRA/RP Motorsport), a uma volta 
8º) Calan Williams (AUS/Fortec Motorsport), a 39s088 
9º) Christian Hahn (BRA/Drivex School), a 28s521 
10º) Dev Gore (USA/Carlin Motorsport), a 31s851 
11º) Alex Karkosik (POL/Campos Racing), a 13s131 
12º) Lukas Dunner (AUT/Drivex School), a 4s784 
NÃO COMPLETARAM 
Marcos Siebert (ARG/Campos Racing) 
Aldo Festante (ITA/RP Motorsport) 
Melhor Volta: Frederick, na 10º. Com 1min47s160, médio de 194,6 km/h

CLASSIFICAÇÃO
1º) Felipe Drugovich, 301 pontos 
2º) Bent Viscaal ,175 
3º) Matheus Iorio, 141
4º) Marcos Siebert, 133 
5º) Cameron Das, 102
6º) Lukas Dunner, 67
7º) Alex Karkosik, 66
8º) Guilherme Samaia, 56 
9º) Calan Williams, 25
10º) Christian Hahn, 25
11º) Jannes Fittje, 22
12º) Leonardo Lorandi, 20
13º) Aldo Festante, 20
14º) Yves Baltas, 18
15º) Kavlen Frederick, 11
16º) Petru Florescu, 11
17º) Leonard Hoogenboo
18º) Michael Benvalhia, 9
19º) Dev Gore, 3

Matheus Iorio fica a 0s2 do pódio em Monza e sobe na classificação geral da Euroformula F3 Open

O brasileiro Matheus Iorio completou a segunda prova da rodada dupla da Euroformula F3 Open na quarta posição, a apenas 0s2 de conseguir mais um pódio na temporada 2018. Com o resultado, o piloto da Carlin ganhou uma colocação na classificação geral e agora é o terceiro.

Foi uma corrida bastante movimentada para Matheus. Depois de largar em quarto, o brasileiro manteve a posição no começo, mas uma entrada do safety car reagrupou os pilotos e, na relargada, Iorio caiu para o quinto lugar.

O piloto da Carlin seguiu próximo dos ponteiros e, num toque entre Marcos Siebert e Leonardo Lorandi na freada da primeira chicane, recuperou a quarta posição e partiu para o ataque em cima do italiano, que ficou com danos no carro.

Na volta 14, Iorio assumiu o terceiro lugar ao passar Lorandi na saída da Variante Ascari, mas ambos foram superados na sequência por Cameron Das, que se aproveitou do vácuo dos dois antes da freada para a Parabólica.

O brasileiro não desistiu da briga, e na antepenúltima volta deu o troco no americano. Mas o adversário tinha um pouco mais de velocidade final nas retas de Monza e confirmou o terceiro lugar no finalzinho da prova.

Faltam duas rodadas triplas para o encerramento da temporada, e Matheus volta ao cockpit de seu Dallara-Toyota #34 daqui a duas semanas, no circuito espanhol de Jerez de la Frontera.

O que disse Matheus Iorio:

"Tivemos o pódio bem próximo, mas fizemos uma boa corrida. Consegui sobreviver aos acidentes, e foi uma corrida de muita ação. Fizemos um trabalho em equipe com com uma troca de vácuo com meu companheiro, e depois disputamos a posição no fim, foi bem justo. O fim de semana num todo foi bom para o campeonato, já que teve gente não pontuando na primeira e outros não pontuando na segunda que estava na frente na tabela. Estamos em terceiro, mas tenho de pensar corrida a corrida, já que faltam apenas quatro corridas para encerrar o campeonato e vamos atrás do vice "

Resultado da prova:

1º F.Drugovich - 33m24s146
2º B.Viscaal - a 5s686
3º C.Das - a 8s981
4º M.Iorio - a 9s271
5º K.Frederick - a 13s616


Classificação do campeonato:

1º F.Drugovich - 301 pontos
2º B.Viscaal - 175
3º M.Iorio - 141
4º M.Siebert - 133
5º C.Das - 117

Pilotos da Stock Car deixam carro de lado e disputam corrida de bicicleta no Velo Città


A Stock Car aderiu, neste sábado (22) ao Dia Mundial Sem Carro, e de uma maneira inusitada por se tratar de esporte a motor: os pilotos da principal categoria do automobilismo brasileiro permaneceram de macacão e capacete, mas vem vez de acelerar a quase 300 por hora, eles pedalaram bicicletas por uma versão mais curta do circuito do Velo Città, em Mogi Guaçu (SP).Cada equipe participante formou sua dupla de pilotos para a disputa na pista, que teve largada no estilo Le Mans (com os pilotos atravessando a pista em direção às bicicletas).

No fim das duas voltas de competição, a vitória ficou com a dupla da Eurofarma RC, formada por Daniel Serra e por seu engenheiro Joselmo Barcick, o Polenta. Em segundo ficaram os pilotos da Prati-Donaduzzi, Julio Campos e Antonio Pizzonia, com Bruno Baptista e Lucas di Grassi cruzando em terceiro pela Hero Motorsport. A comemoração teve pódio e estouro de champanhe.

“É muito mais fácil no carro. Nós somos competitivos: até na brincadeira a gente quer ganhar. Foi muito legal. Mas eu me matei no começo, e a gente sai empolgado na descida e quando chega a subida já demos tudo. A causa foi muito bacana, e também ajudou os pilotos a dar uma descontraída”, afirmou Serra.

A Stock E-Bike foi um evento organizado pela Stock Car e que contou com apoio da CBMM (Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração) e da EDG, que forneceu as bicicletas do modelo Niobium e-Bike.


Para Rodrigo Amado, Gerente Geral de Mobilidade da CBMM, o envolvimento na causa é altamente positivo. “Foi exatamente como a CBMM vem trabalhando, com modalidades diferentes de mobilidade, e a gente não acredita somente em uma única tecnologia; nós acreditamos em uma mistura de tecnologias e regiões as utilizando. Isso foi uma amostra do que vai ser no
dia a dia, na rotina das pessoas. Adoramos a ativação, e gostei que os pilotos aderiram à ideia. O ambiente da Stock Car é muito competitivo, mas ao mesmo tempo bastante amigável, ainda mais em um lugar maravilhoso como este que foi escolhido a dedo para realizarmos a Stock E-Bike”, elogiou.

“Como principal categoria do automobilismo nacional, onde um dos protagonistas é o carro, a gente não podia ficar de fora de uma ação inusitada como essa no Dia Mundial Sem Carro”, destacou Rodrigo Mathias, CEO da Stock Car. “Então, temos que incentivar outros meios de mobilidade. A ideia foi trazer aqui e promover uma corrida de bikes com os pilotos, as equipes, onde eles podem se confraternizar e a categoria se mostrar também de uma outra forma, mais interativa, todo esse relacionamento e universo, que normalmente é feito dentro dos carros, agora em cima das bicicletas”, seguiu.


Para Fabio Guillaumon, CEO da EDG, que forneceu as bicicletas, feitas em nióbio, para a corrida, foi interessante acompanhar de perto toda a competitividade dos pilotos na disputa. “Para nós foi uma sensação de extrema satisfação em ver como o evento todo se desenrolou com a corrida, ver a competitividade limpa dos pilotos e principalmente o desejo deles em ganhar a bicicleta. Para nós, conseguir introduzir como essa no meio automobilístico foi realmente uma experiência muito interessante para todos”, comentou.

HOJE, os pilotos voltam ao seu habitat natural, dentro dos carros da Stock Car, para a disputa da nona etapa da temporada, cujas corridas acontecem às 13 e 14 horas com transmissão ao vivo pelo canal Sportv3.

Resultado – Stock E-Bike:
1. Eurofarma RC – 2 voltas em 5min01s982
2. Prati-Donaduzzi Racing – a 4s809
3. Hero Motorsport – a 5s941
4. Bardahl Hot Car – a 8s125
5. Cimed Chevrolet Racing Team – a 10s001
6. Cavaleiro Sports – a 12s530
7. Ipiranga Racing – a 13s608
8. Vogel Motorsport – a 15s232
9. Blau Motorsport – a 21s472
10. Eisenbahn Racing Team – a 28s356
11. Full Time Sports – a 28s715
12. Cavaleiro Contuflex – a 37s872
13. Cimed Chevrolet Racing – a 38s982
14. Full Time Bassani – a 48s187