sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Roberto Nasser - De carro por aí

Coluna 4916 - 02.12.2016 - edita@rnasser.com.br

tapa no Amarok
Seis anos após seu surgimento o picape Amarok Volkswagen passa pela primeira atualização instigada pelo mercado. Há 30 anos a antiga SR, construtora de cabines duplas, retirou os picapes da posição de veículo de trabalho, carro de entregas e lavradores, e conseguiu inseri-los na relação de itens de desejo, competindo com automóveis caros ou importados usados. Modesta, bem sucedida, criou nova faixa de compradores, os Macho Man, trocando automóveis confortáveis por picapes duros, ásperos, camionais, trepidantes por seus adaptados motores diesel de trator.  A abertura das importações não mudou o foco destes compradores, exigindo equipamentos e confortos, colocando-os na linha direta de disputa com automóveis de relevo. Leitor sabe, um picape com o mesmo nível de equipamento, custa acima das referências premium do mercado, como Mercedes C, Audi e BMW 3.

Para atrair clientela às rentáveis versões com maior conteúdo, reviu aparência frontal, mudando desenho de faróis auxiliares, grade e para choques, aplicou rodas leves em tamanhos opcionais entre 16 e 20”.

Exceto placa de proteção para carter do motor e caixa de marchas, mecânica se manteve intocada, liderada por motor diesel de 4 cilindros, 2,0 litros de cilindrada, potência variando por versão e aplicação: carros de trabalho, frotas, um turbo compressor e 140 cv; aplicações automobilísticas, não picapeanas, 180 cv obtidos por dupla de sopradores. Mecânica de bom comportamento, transmissão mecânica de seis velocidades nas versões de menor preço, e automática com oito marchas para as superiores. Em todas a tração é permanente nas 4 rodas, e não há caixa para marcha reduzida: a primeira velocidade é extremamente curta para cumprir eventual demanda.

No foco para clientes com ilógico ponto de vista de picapes como grandes carros de luxo e com enorme porta malas, interior foi cuidado, em extensas mudanças. É automobilístico em confortos, e nas versões superiores, Highline, regulagens elétricas para os bancos frontais, materiais cuidados, de bom tato, e os oferecimentos atuais de conectividade, como sistema multimídia com espelhamento de celulares com as plataformas MirrorLink, Google Android Auto e Apple Carplay. Outros, comando da transmissão automática sob o volante e introdução de sistema de frenagem automática pós-colisão.
Visão

Interior supera parte externa. Exceto derivados de automóveis, Volkswagen era jejuna em picapes até decidir-se pelo Amarok. Seis anos após, conteve o orçamento, manteve as linhas criadas por lápis do século passado. Mudanças intentam melhorar sua performance no mercado – 5o. em vendas, abaixo de Chevrolet S10; Toyota Hi Lux; Ford Ranger e Mitsubishi Triton -, entretanto permitir-se-á destacar pelo grande argumento para o segundo semestre: motor V6 3.0,  para performance acima de todos os demais.

Quanto
Versão
R$
S cabine simples
113.990
S cabine dupla
126.990
SE
130.990
Trendline
148.990
Highline
167.990
Highline Série Extreme
177.990

Acordo Mercosul UE mudará mercado ?
No quase anda marcando relacionamento de 18 anos entre União Europeia e Mercosul, este apresentou proposta densa para vários setores, incluindo o automobilístico. Pela oferta, o bloco econômico do sul reduziria impostos de importação à razão de 2,6% anuais, zerando-o em 15 anos.

Indústria automobilística não gostou, contrapôs oito anos na situação atual e cota de importação de 35 mil veículos/ano. Alega, precisa prazo para se organizar, e avisa: matrizes se desinteressarão de investir na área. Governo parece pouco sensível.

História antiga e de maus resultados. À abertura no governo Collor, propôs-se imposto em 20%, mas pressões internas elevaram a 35%. Sob o ponto de vista oficial, era proteção de mercado e empregos. Mas na prática incentivou manter carros, motores e transmissões antigos em produção e, sem competitividade com produtos externos, empacou o desenvolvimento e garroteou a produtividade. Criou uma barreira para proteger o atraso e a incompetência.

Proposta do Mercosul tem tudo para dar certo, embora vá enfrentar dificuldades pelo grupo europeu no campo da agricultura e da pecuária. Súbita eleição de Donald Trump e toda a insegurança de suas propostas, incluindo resumir o comércio internacional em nome de manter empregos nos EUA, pode dinamizar os negócios intercontinentais, como por exemplo, livre comércio com o México.
Definições concretas somente as eleições de 2017 na França e na Alemanha. 

Carro elétrico é p’ra valer
Dúvidas a respeito de carros movidos por combustíveis fósseis não devem existir. Nada de receio do fim das reservas, como sempre alardeado, mas pela simplória razão de ser poluentes e contra o meio ambiente, incluindo a saúde dos votantes e contribuintes. Opções várias vem sendo testadas, mas entendimento entre grandes fabricantes alemães, uma das líderes na aplicação destas tecnologias, mostra a eletricidade como o caminho mais provável.

Audi e Porsche, do grupo VW; BMW; Daimler; e Ford assinaram carta de intenções para trocar sinergias, conhecimentos, - e economizar - com o criar rede de estações de recarga capaz de receber veículos de todas as marcas. Rede capilarizada dará autonomia aos elétricos permitindo recarga por todo o país – a Alemanha tem, a grosso modo, o tamanho do estado de SP.

Outra novidade é a padronização de carga para até 350 kW e adoção do Sistema de Carga Combinado, CCS, utilizando um conector – tomada – compatível com as atuais marcas e regra para as próximas gerações. Com tecnologia em comum além de reduzir custos para a rede inicial de 400 estações, provará a factibilização do elétrico.

História se repete na mesma Alemanha. Há 130 anos o automóvel deixou de ser coisa estranha e passou a ser visto como veículo confiável, todos sabem, quando dona Berta Benz tirou da estrebaria o sacolejante triciclo criado por seu marido e dirigiu 140 km pela Floresta Negra até a casa de sua mãe.

Negócio deve evoluir para uma joint-venture, permitindo adesão de outros fabricantes e permear a estrutura para a Europa e a ideia para o mundo.

Roda-a-Roda
Recorde  Circuitos de autódromos tem sido usados por fábricas de automóveis para registrar tempos de volta – e recordes. Inglês Anglesey Coastal, no país de Gales, GB, é um desses, vendo cair o recorde do McLaren P1 GTR.

Novo – Autor o Mono, monoposto carenado, autorizado a andar em ruas e estradas. Leve, 580 kg, performático ao combiná-lo com motor de 2,5 litros, 305 cv, câmbio sequencial seis marchas – é Fórmula 3 carenado, rodou em 1” abaixo do McLaren.

Curiosidade – Briggs Automotive Company (BAC), montadora, tem sócio brasileiro, publicitário Alexandre Gama, dono do único exemplar no Brasil. Há dois anos anunciou fabricá-lo - mas levou o capital para Grã Bretanha.

Quebra galho – Descumprindo a promessa aos revendedores de oferecer versão automática para o Troller, Ford resumirá atrativos a séries especiais. Primeira é a Bold,em 180 unidades. 

E ? – Carroceria pintada em dois tons, com sempre presente Cinza Londres Escuro, combinado com Amarelo Dakkar, Vermelho Arizona ou Branco Diamante II. Dentro, revestimento mais escuro e o Cinza Londres generosamente aplicado no painel de instrumentos, painéis de porta, console, alavanca de marchas.

Menos – Caiu a previsão de carros importados em 2016. De 39 mil unidades, deverá arranhar 36 mil. Representam apenas 1,7% no mercado nacional. 

Razões - Carros importados enfrentam três barreiras: preço do dólar, 35% de imposto de importação e adicional de 30 pontos sobre o IPI. Abeifa, associação de classe, pede ao governo a remoção dos questionáveis 30 pontos sobre o IPI criados na gestão do hoje policialmente questionado Fernando Pimentel.

Otimismo – Em entrevista à Autodata, Carlos Zarlenga presidente da GM vê futuro com otimismo: crescimento de 12 a 15% em 2017, com início de decolagem ao primeiro trimestre. Superou previsão de Antonio Megale, presidente da Anfavea, associação dos fabricantes, entre 6 e 8%.

Investimento - Ao presidente Michel Temer Toyota anunciou investimentos de R$ 600 milhões na fábrica de Porto Feliz, SP. Boa notícia em meio a cenário econômico negativo, aporte permitirá produção de novos propulsores para o sucessor do atual Corolla, sedã a ser lançado nos próximos meses.

Depois - Novos motores não seguirão a tendência de downsizing, redução em tamanho e peso, nem iniciará o caminho do uso do turbo alimentador para a marca no Brasil. 2.000 cm3 de cilindrada, 16 válvulas, construído em alumínio, inicia nova geração para o Corolla e futuros produtos. Primeiro Toyota nacional com injeção direta de combustíveis, apto a receber turbo alimentador, e unidade de força para outros futuros produtos na América Latina.

Mais – Após conquistar o rótulo de Líder em Segurança como primeiro veículo nacional com nota máxima de proteção para adultos e crianças, Renegade viu seis de suas versões nos Top 10 em segurança. Levantamento feito pelo Cesvi/Brasil entre 293 versões de 58 modelos e 14 marcas, o jovem Jeep foi apontado como melhor nacional, com seis entre os 10 primeiros colocados.

Consequência – Resultado de bom projeto e seu reconhecimento pelo mercado pelas vendas, Agencia AutoInforme aferiu, em novembro ficou em segundo lugar em desvalorização, com perda modesta de 6,4% em um ano de uso.

Fim – Juiz de São Bernardo do Campo, SP, decretou a falência da Karmann-Ghia. Antes pioneira alemã pioneira vinda com a indústria automobilística, passou de mão em mão. Última sequer pagou salários e energia.

Acerto – Representantes da Paccar – dos EUA, proprietária das marcas de caminhões Kenworth, Peterbilt e DAF – reuniram executivos da DAF, operando no Brasil e da fornecedora Randon Autopeças. Explicar filosofia, exigências, visões para enfrentar o crescimento da concorrência no mercado. No Brasil DAF monta caminhões desde 2013 em Ponta Grossa, Pr.

Crença – Volkswagen Caminhões e Ônibus investirá 1,5B entre 2017 e 2021. Fará novos produtos e aplicará em conteúdo de digitalização, conectividade e,  campo prolífico, expansão internacional da marca. Recursos virão da própria operação, e foi a segunda boa notícia automobilística para o governo Temer.


Negócio  Aproveitando dívida líquida de 1/3 do patrimônio, Dana de autopeças adquiriu negócios de transmissão de forças e fluidos da italiana Brevini. Comprou 80% das ações, com opção para as restantes. Rolou a dívida.

Futuro – Acredita fortalecer suas capacidades nos crescentes mercados de veículos híbridos, de fora de estrada, e para as grandes mudanças em estrutura industrial e de produto. Raul Germany, CEO da Dana no Brasil entende, compra dará diferencial para expandir base de clientes regionais.

Mudança – Pirelli apresentou novos pneus para a temporada 2017 na Fórmula 1. Basicamente mantiveram o aro de 13” e cresceram 25% na área de apoio com o solo. Dianteiros são 305 mm/670 e traseiros 405 mm/670. 

Futuro - Valem para os três tipos, chuva, intermediário e piso seco. Equipes participaram intensamente dos testes, provendo mudanças necessárias nos monopostos. Um sofrimento, pois carros 2015 buscando se acertar para 2017.

Retífica RN  Coluna passada atrapalhou-se com nome do designer do renascer do Willys Interlagos no Brasil. É João Paulo Melo.

Fidel - Foi-se e é cantado como sonhador democrático, coerente, socialista preocupado com seu povo. De outro lado, ditador comunista preocupado em fazer fortuna pessoal em regime anti democrático, rotulando 12.000 assassinatos dos eventuais opositores, incluindo companheiros de armas como Justiçamento, apropriador dos bons números de saúde e educação de Cuba como conquista de seu regime duro – e agora sem rumo.

Igual – Gente é igual automóvel. Depois da morte são louvados por qualidades não demonstradas em vida. Por isto não há cemitérios para os malvados.

Gente Lapo Elkann, 39, inventador de modas, neto e herdeiro de Gianni Agnelli, ex-top da Fiat, preso. OOOO Criou história de auto sequestro, família não acreditou, e polícia de Nova Iorque localizou-o em festa. OOOO Diz a força policial, quantia seria para manter o clima. OOOO Que festa ... OOOO FCA não comenta. OOOO

Revitalizando o Renegade
Para não perder o pique de vendas, manter a disputa no segmento dos SUVs, e a sequencia de prêmios pela imprensa, Jeep incrementou o Renegade 2017, já nos revendedores. Novidade maior está nas versões mais vendidas, utilizando motores 1,8 litro de cilindrada, flex.

Realizou desenvolvimento sobre o propulsor, identificando a etapa como Evo flex, para torná-lo mais ágil, potente e econômico – na prática melhorar as sensações do motorista. Mudanças geraram 7 cv a mais, indo a 139 cavalos de força, mas o foco mais centrado da Jeep era dar melhores sensações ao condutor. Para isto privilegiou o funcionamento ao aplicar coletor de admissão variável – o percurso varia para maior ou menor distância dependendo da demanda comandada pelo acelerador -; aplicou bomba de combustível inteligente, mudando a pressão de acordo com a exigência; e, epicurismo mecânico, aplicou óleos lubrificantes de menor atrito para motor e transmissão.

Resultado obtido, maiores maneabilidade e respostas em baixas rotações, menor necessidade de mudança de marchas – e até 10% na redução de consumo. Outros melhoramentos foram monitoramento indireto da pressão dos pneus – menor pressão aumenta o consumo -, indicador de troca de marchas, pneus ditos verdes, com menor atrito na rolagem com o solo, alternador inteligente – só gera energia sob demanda, reduzindo o auxílio do motor. Criou versão Limited assinalando o topo no segmento com motor 1,8 flex.

Na linha mantém a exclusividade do motor diesel 2,0 e transmissão automática de nove velocidades. O Renegade é o único dentre os utilitários esportivos não derivado de carro de passeio.

Eastern Airways do Reino Unido se junta ao programa de peças de reposição da Embraer

A Embraer anunciou hoje que a Eastern Airways, o mais recente operador a se unir à família de E-Jets, assinou contrato para o programa pool de peças de reposição. O acordo, válido por até seis anos, abrange mais de 300 tipos de peças para os dois jatos E170 recentemente adquiridos pela Eastern Airways. A companhia aérea, com base no Reino Unido, também opera três jatos ERJ 145 da Embraer.

“Demonstramos à Eastern Airways que o programa pool de peças de reposição é a solução mais completa para apoiar a nova operação de E-Jets, garantindo disponibilidade e custos operacionais competitivos”, disse Johann Bordais, Diretor de Serviços e Suporte da Embraer Aviação Comercial. “Seja qual for o tamanho da frota, o programa pool é a solução perfeita, com baixo investimento, para apoiar as operações das companhias aéreas 24 por 7.”

Tony Burgess, Diretor de Operações da Eastern Airways, disse: “A adição dos jatos E170 nos proporciona grande flexibilidade como a única companhia aérea na Europa que oferece esta moderna aeronave dedicada ao mercado de fretamento. A introdução destes aviões melhorou nossas capacidades, oferecendo grande alcance e flexibilidade adicional para satisfazer as exigências do mercado de fretamento, e o programa pool ajudará no apoio às operações das aeronaves. Continuaremos analisando oportunidades para melhorar nossa frota.”

O programa pool de peças de reposição da Embraer, que atualmente apoia mais de 65% dos clientes de E-Jets em todo o mundo, foi concebido para permitir às companhias aéreas minimizarem investimentos em recursos e estoques de alto custo e contar com a expertise técnica da Embraer e sua ampla rede de provedores de serviços para reparo de componentes. Os resultados são uma significativa economia nos custos de reparo e estoque, redução no espaço necessário para armazenamento e eliminação de recursos necessários para gerenciamento de reparos, além de garantia dos níveis de desempenho.

A Embraer é líder mundial na fabricação de jatos comerciais até 130 assentos. A Companhia possui 100 clientes em todo o mundo operando os jatos das famílias ERJ e de E-Jets. Somente para o programa de E-Jets, a Embraer já registrou mais de 1.700 pedidos firmes e mais de 1.200 entregas, redefinindo o conceito tradicional de aeronaves regionais por meio da operação em uma gama de aplicações de negócios.

Audi e o Grupo LEGO apresentam a instalação "The extra hour" no Design Miami

Carros autônomos aliviam o estresse de motoristas ao prover mais tempo livre, já que as mãos e mentes ficam disponíveis para realizar outras coisas durante a viagem. Como resultado, o carro do futuro se tornará um lugar para trabalhar, relaxar e desfrutar de outras experiências. 

Na Audi, este ganho de tempo é simbolizado pela 25ª hora do dia - "The extra hour" ("A hora extra", na tradução para o português). Para dar uma forma visual a este conceito, a Audi realizou uma parceria com o Grupo LEGO para criar uma instalação para o evento. 

O conceito de condução pilotada do Audi RS 7, colocado no centro de um relógio gigante, representa o ponto principal dessa nova apresentação. Também estará em exibição o numeral "25" gigante feito inteiramente de blocos de LEGO.

"A Audi e o Grupo LEGO compartilham a paixão pela inovação e a criatividade", ressalta Nils Wollny, chefe de Estratégia Digital de Negócio e Experiência de Cliente da AUDI AG. 

"Essa paixão também é especialmente valiosa no desenvolvimento de novos produtos e modelos de negócios que se relacionam com a condução autônoma", completa. William Thorogood, diretor Sênior de Inovação da LEGO Creative Play Lab, acrescenta: "Com essa instalação, nós esperamos inspirar a imaginação e a criatividade dos visitantes e incentivá-los a permitir essa ruptura de sua rotina diária. A 25ª hora do dia é um momento perfeito para isso".

A Design Miami/ será realizada de 30 de novembro a 4 de dezembro de 2016 em Miami, na Flórida. Vista como um fórum internacional de design, o evento atrai colecionadores de arte, galeristas, designers, curadores e críticos mais influentes de todo o mundo. A Audi é a única parceira automotiva da exibição desde 2006.


Philips é eleita a marca preferida de lâmpadas para caminhões e ônibus

A Philips Automotiva conquistou o Prêmio Best Brands na categoria Lâmpadas, promovido pela primeira vez pela revista Transporte Mundial e pela Motorpress Mídias Brasil para o setor de pesados. A fabricante foi reconhecida como a marca preferida em lâmpadas no segmento por 62,2% dos eleitores. O evento de premiação foi realizado na última sexta-feira, dia 25, no São Paulo Expo, zona sul da capital paulista.

A premiação para o setor de pesados é uma extensão da Best Brands organizada pela Motorpress para o setor de automóveis, no qual a Philips Automotiva já acumula quatro prêmios consecutivos. “Trata-se de um reconhecimento por nossos esforços em oferecer qualidade e o que há de mais moderno quando o assunto é iluminação automotiva, seja para carros, motos ou caminhões”, diz Andre Vidal, gerente de Vendas Aftermarket da Philips Automotiva no Brasil.

Para eleição dos vencedores de cada categoria do Best Brands, os leitores da publicação Transporte Mundial tiverem três meses para elegerem suas marcas favoritas de componentes e serviços, entre elas implemento rodoviário sobre chassi, implemento rodoviário para cavalo mecânico, sistema de freio, caixa de marcha, motor, lubrificantes, pneus, reforma de pneus, filtros e lâmpadas.

A Philips Automotiva oferece soluções, de acordo com a demanda de seus clientes, com diversas opções para o mercado de pesados, seja com foco em durabilidade, estilo e/ou segurança. Uma opção bastante utilizada no segmento é a Philips Master Life 24V, desenvolvida para entregar alta durabilidade e evitar com que o usuário realize visitas frequentes em oficinas, além de maximizar a disponibilidade do veículo em operação.

Ao oferecer 2,5 vezes mais durabilidade em relação às lâmpadas convencionais, a Philips Master Life 24V é uma alternativa prática e econômica para todos os usuários do segmento de linha pesada. Ao considerar a frequência média da substituição das lâmpadas de farol do caminhão, na ponta do lápis, o motorista ou frotista terão uma economia de até 70% no primeiro ano com a Philips Master Life, já que o produto da Philips alcança uma durabilidade de até 1.800 horas em operação. A lâmpada Master Life 24V está disponível em lojas especializadas nos modelos H1, H3, H4 e H7.

ICGP divulga calendário para 2017; corrida no Brasil será em 2018

A ICGP Racing, entidade responsável pela organização do International Classic Grand Prix, divulgou oficialmente o calendário para a temporada de 2017. Como acontecia até 2015, todas as provas serão na Europa. O Brasil, que em 2016 sediou a primeira corrida fora do continente europeu, voltará ao calendário em 2018, em acordo firmado entre o francês Eric Saul, presidente do ICGP, e o brasileiro Bob Keller, promotor do ICGP Brasil.

"Historicamente, o calendário do ICGP tem mudanças a cada ano, justamente para dar oportunidades aos participantes de conhecer circuitos diferentes", explica Saul. Além disso, em 2017 o ICGP receberá da FIM (Federação Internacional de Motociclismo) o selo de Campeonato Europeu - uma etapa a ser transposta para a homologação definitiva como Campeonato Mundial. A etapa final de 2017 será realizada no autódromo de Aragon, na Espanha, cujos administradores já haviam disputado com Goiânia a indicação para sediar o encerramento da temporada de 2016. 

A única dúvida sobre a volta do ICGP ao Brasil é a época em que acontecerá o evento. Nos próximos meses, Saul e Keller avaliarão duas possibilidades: manter a etapa brasileira no final do ano ou fazer dela a abertura da temporada de 2018. "Minha vontade de ter novamente o ICGP em 2017 era muito grande, mas entendo os motivos que levaram o ICGP a correr apenas na Europa no próximo ano. O lado bom é que teremos mais tempo para planejar um evento ainda mais vibrante e emocionante do que o primeiro", afirma Keller. Saul, por sua vez, não escondeu o entusiasmo com a prova de Goiânia. "A corrida do Brasil foi um grande sucesso, com excepcional cobertura de mídia, organização sem falhas, circuito magnífico... Foi um grande momento de felicidade para todos os participantes. Quem não foi perdeu um grande momento", elogiou.

Dos seis circuitos que compuseram o calendário do ICGP em 2016, somente dois estarão presentes também em 2017: Paul Ricard (França) e Grobnik (Croácia). Este último, entretanto, ainda não tem data confirmada para o ICGP, devido à previsão de recapeamento da pista. Além de Aragon, entram Donington Park (Inglaterra), Le Mans (França) e Sachsenring (Alemanha) substituindo Assen (Holanda), Mallory Park (Inglaterra) e Mugello (Itália).

O calendário do ICGP para 2017 é este:
14-15-16 de abril: Paul Ricard (França)
6-7 de maio: Donington (Inglaterra)
16-17-18 de junho: Sachsenring (Alemanha)
7-8-9 de julho: Le Mans (França)
Agosto ou setembro (data a confirmar): Rijeka (Croácia)
27-28-29 de outubro: Aragon (Espanha)

Stock Car: Programação definida para a grande final em Interlagos

A grande final da principal categoria do automobilismo brasileiro está chegando e o palco para receber este grande show é o Autódromo Internacional José Carlos Pace, no bairro de Interlagos, em São Paulo no dia 11 de dezembro. Além da grande final da Stock Car, Interlagos recebe também a Fórmula 3 Brasil, o Campeonato Brasileiro de Turismo, a Copa Petrobras de Marcas, e o Mercedes-Benz Challenge, todos em suas etapas finais de definição dos campeões.

As atividades na pista começaram na sexta-feira (9) com o primeiro treino livre da Copa Petrobras de Marcas às 8h15, seguido pela Fórmula 3 Brasil que começa seu primeiro treino livre às 9h40. A Stock Car entra nas pistas a partir das 10h30 para um shakedown e realiza também o seu primeiro treino livre. Logo depois, o Campeonato Brasileiro de Turismo e o Mercedes-Benz Challenge rasgam os 4.309 metros do principal autódromo brasileiro para a realização de seus primeiros treinos livres. Ainda na sexta-feira os carros da Copa Petrobras de Marcas partem para a sessão classificatória às 17h15 e a classificação da Fórmula 3 Brasil acontece às 17h35.

O sábado (10) também será intenso em Interlagos, todas as categorias entram na pista para mais treinos e as sessões classificatórias que definirão as posições de largada dos pilotos. Além disso, a Fórmula 3 Brasil e a Copa Petrobras de Marcas, que disputam sempre em rodada dupla, realizam durante a tarde suas primeiras corridas. 

A Copa Petrobras de Marcas terá transmissão ao vivo pelo canal EiMaxx2. A classificação da Stock Car acontece exatamente ao meio-dia e terá uma hora de duração com transmissão ao vivo pelo SporTV. A F3 Brasil faz a sua primeira corrida do final de semana às 16h05, logo após os treinos do Mercedes-Benz Challenge. Na categoria mais charmosa do país, a definição do grid acontece às 16h50 (CLA AMG Cup) e às 17h20 (C 250 Cup). A programação do sábado se encerra com a realização da Stock Run, corrida pedestre que acontece no autódromo a partir das 19h30.

As cinco categorias retornam ao Autódromo Internacional José Carlos Pace no domingo (11) para um só dia repleto de atividades para o fã de velocidade. O Campeonato Brasileiro de Turismo abre a pista com largada prevista para as 8h20 na definição do campeão de 2016. 

A grande final da Stock Car está com largada programada para às 10h10 com transmissão ao vivo pela Rede Globo. A visitação de box acontece às 11h20 (há ingressos específicos para participar da ação à venda). Na sequência vêm o Mercedes-Benz Challenge, a segunda corrida da Fórmula 3 Brasil e a segunda corrida da Copa Petrobras de Marcas, na disputa final pelo título da temporada. Para fechar o domingo teremos ainda a Corrida Promocional da C250 Cup que tem a largada prevista para às 16h50.

Confira abaixo a programação para a última etapa da temporada 2016 em Interlagos:

Sexta-feira, 09 de dezembro
08h15 - 08h50 - 1º treino (Grupo1) Copa Petrobras de Marcas
08h55 - 09h30 - 1º treino (Grupo2) Copa Petrobras de Marcas
09h40 - 10h20 - 1º Treino Fórmula 3 Brasil
10h30 - 10h40 - Shake Down Stock Car
10h45 - 11h45 - 1º Treino (Grupo 1) Stock Car
11h50 - 12h50 - 1º Treino (Grupo 2) Stock Car
13h00 - 13h35 - 2º treino (Grupo 2) Copa Petrobras de Marcas
13h40 - 14h15 - 2º treino (Grupo 2) Copa Petrobras de Marcas
14h25 - 15h05 - 2º Treino Fórmula 3 Brasil
15h15 - 15h55 - 1º Treino Campeonato Brasileiro de Turismo
16h05 - 17h05 - 1º Treino Mercedes-Benz Challenge
17h15 - 17h25 - Classificação Copa Petrobras de Marcas
17h35 - 17h55 - Classificação Fórmula 3 Brasil

Sábado, 10 de dezembro
07h30 - 08h15 - 2º Treino Campeonato Brasileiro de Turismo
08h25 - 09h05 - 2º Treino (Grupo 1) Stock Car
09h10 - 09h50 - 2º Treino (Grupo 2) Stock Car
10h25 - Largada (Corrida 1) Copa Petrobras de Marcas
11h05 - 11h25 - Classificação Campeonato Brasileiro de Turismo
12h00 - 13h00 - Classificação Stock Car
13h10 - 14h10 - 2º Treino Mercedes-Benz Challenge (C 250 CUP)
14h20 - 15h20 - 2º Treino Mercedes-Benz Challenge (CLA 45 AMG CUP)
16h05 - Largada (Corrida 1) Fórmula 3 Brasil
16h50 - 17h10 - Classificação Mercedes-Benz Challenge (CLA 45 AMG CUP)
17h20 - 17h40 - Classificação Mercedes-Benz Challenge (C 250 CUP)
19h00 - 19h20 - 1º Treino C250 CUP - Corrida Promocional
19h30 - Stock Run

Domingo, 11 de dezembro
08h20 - Largada Campeonato Brasileiro de Turismo
10h10 - Largada Stock Car
11h20 - Visitação aos Boxes / Volta Rápida
12h50 - Largada Mercedes-Benz Challenge
14h15 - Largada (Corrida 2) Fórmula 3 Brasil
15h20 - Largada (Corrida 2) Copa Petrobras de Marcas
16h50 - Largada C250 CUP Corrida Promocional

FIAT TORO CONQUISTA MAIS UM RECONHECIMENTO PELO ESTILO INOVADOR

Fotos: Pedro Guida/Divulgação MCB
O Fiat Toro não para de ganhar títulos pelas linhas arrojadas e inovadoras, que surpreenderam o mercado e ajudaram a fazer da picape sucesso indiscutível de público e crítica. Desta vez, o modelo conquistou o 1º lugar na categoria Transportes do Prêmio Design Museu da Casa Brasileira, em São Paulo.

“A premiação do museu paulistano é uma das mais importantes do Brasil”, afirma Peter Fassbender, diretor do FCA Design Center Latam, que recebeu o certificado na noite do último dia 24. “E o nosso orgulho é ainda maior porque além do prêmio do Toro, o Mobi também foi selecionado na categoria.” O que mostra o nível de excelência do centro de estilo da Fiat Chrysler Automobiles instalado no país.

Em sua 30ª edição, o tradicional Prêmio Design Museu da Casa Brasileira recebeu 640 inscrições para definir os contemplados nas categorias Construção, Eletroeletrônico, Iluminação, Mobiliário, Têxteis, Transportes, Utensílios e Trabalhos Escritos. Todos os objetos premiados pelo corpo de jurados estão em exposição no museu até 29 de janeiro.

Lançado em fevereiro, o Fiat Toro já havia conquistado o renomado prêmio Red Dot Design, do Design Zentrum Nordheim Westfalen, em Essen, na Alemanha, e o selo ouro na categoria Design de Produto no Prêmio Internacional Objeto: Brasil, importante reconhecimento entregue pela Associação Objeto Brasil.


Serviço:
Mostra 30º Prêmio Design MCB
Museu da Casa Brasileira
Av. Brig. Faria Lima, 2.705 – São Paulo

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Afastado do esporte há 30 anos, Marco Greco retorna para a final do SBK Brasil

A grande final do SuperBike Brasil, prova realizada neste domingo (4) no Autódromo de Interlagos, vai contar com a presença de um grande veterano das pistas. Marco Greco, de 53 anos, confirmou participação e irá disputar a última rodada da temporada 2016 pela categoria SuperBike Light Master. O ex-piloto paulistano vai integrar a equipe Tecfil Racing Team e utilizará o numeral #4 em sua moto.

Marco Greco tem uma vida inteira ligada ao esporte a motor. Na década de 1980, participou do Mundial de Motovelocidade pelas categorias 350cc e posteriormente 500cc. Em seguida, decidiu trocar as motos pelos carros. Correu na Formula 3000 e chegou a ser piloto de testes na Fórmula 1. Entretanto, foi nos Estados Unidos em que teve seu maior sucesso. Greco participou de oito temporadas da Formula Indy e no campeonato 1996–1997 obteve a 3ª colocação.

Agora, depois de 30 anos afastado da motovelocidade e 15 do esporte a motor, Marco Greco decidiu retornar às pistas após receber incessantes convites de amigos para participar de uma corrida especial para ex-pilotos do MotoGP. A prova foi no mês de outubro, em Goiânia, porém, por um capricho do destino, Greco acabou não correndo. Sua moto quebrou durante o warm-up.

“Nem foi tão ruim assim. Com apenas cinco voltas no treino classificatório, fiquei na 8ª posição. Nada mal em um Mundial de Masters depois de tantos anos fora das pistas”, avalia Greco.

Desta forma, a final do SuperBike Brasil será o primeiro teste real de Marco Greco numa prova de motovelocidade. E as dificuldades serão diversas. A questão física é uma delas. O ex-piloto revela que perdeu 15 quilos, mas que ainda está longe do condicionamento ideal para alcançar um alto desempenho. Já com relação à pilotagem, Greco fez seu primeiro teste na pista de Interlagos nesta quarta-feira (30).

“Treinei quarta na chuva e foi tudo dentro do prognóstico para o reconhecimento da moto e para a minha adaptação à pista, pois depois da mudança do traçado de Interlagos, nunca mais andei no circuito”, comenta Greco.

Agora resta aguardar e conferir o desempenho do ex-piloto. Os treinos livres da SuperBike Light Master serão disputados nesta sexta-feira e os classificatórios no sábado. Já a largada da categoria está programada para as 15h09 deste domingo. 

FINAL - SUPERBIKE BRASIL:
9ª etapa do SuperBike Brasil
Dias: 02, 03 (treinos livres e classificatórios) e 04 de dezembro (corridas)
Onde: Autódromo José Carlos Pace
Endereço: Av. Sen. Teotônio Vilela, 261 - Interlagos, São Paulo (SP)

Arquibancada gratuita

Fernando Calmon - Alta Roda - Indústria promove empurrão elétrico

Alta Roda nº 917/26730– 013– 0oda nº852/1211508– 2oda nº851/2016

Fernando Calmon
Quatro grandes nomes da indústria automobilística mundial acabam de anunciar um acordo sobre a criação de uma rede própria de abastecimento de carros elétricos, em estradas e autoestradas europeias. Audi, BMW, Daimler (Mercedes-Benz), Ford e Porsche decidiram adotar a tecnologia CCS (Sistema de Carregamento Combinado, na sigla em inglês) de alta potência: até 350 quilowatts. O acordo envolve todas as marcas dos grupos e é uma plataforma aberta para adesão de qualquer outro fabricante. 

Empurrão importante, pois até pouco tempo não havia uniformidade nem no tipo de tomada padronizada de encaixe no veículo. Por outro lado, a iniciativa prevista para 2017 demonstra a indústria ter deixado a inércia para trás e decidido não esperar governos ou empresas de eletricidade para investir na infraestrutura. Mas convém certa cautela ao analisar a decisão, longe de resolver outros empecilhos. 

Primeiro: apenas 400 pontos serão inaugurados até 2020, enquanto na Europa há mais de 180 mil postos convencionais de abastecimento em ruas e estradas. Segundo: a recarga elétrica será ultrarrápida, mas não se anunciou qual o tempo gasto. Em três minutos ou menos é possível restabelecer 100% da autonomia de um veículo comum. Espera-se algo entre 10 e 15 minutos para 80% da autonomia nominal (os 20% restantes levariam um tempo dez ou mais vezes maior). 

Terceiro pormenor, ainda por esclarecer, é se as recargas desse tipo diminuirão bastante a vida útil das baterias. Há novas unidades de íons de lítio em desenvolvimento, até com autonomia ampliada. Porém, pelo que se sabe no momento, abastecimento ultrarrápido (semanal, por exemplo) doerá muito no bolso do proprietário em médio prazo. 

Por coincidência, a SAE organizou semana passada, em São Paulo, o 6º Simpósio de Veículos Elétricos e Híbridos. Foram 17 palestras, nem todas pintando cenários róseos à frente. Entre os problemas, a grande desvalorização dos atuais carros elétricos no mercado de usados justamente por não se saber qual é a verdadeira durabilidade da bateria de íons de lítio (com 80% de sua vida útil não gera mais potência para mover o veículo). Sem falar na reciclagem, responsabilidade do fabricante do carro. A Tesla, por exemplo, suspendeu o abastecimento gratuito de seus modelos nos Estados Unidos. 

Estudo abrangente sobre o futuro desse mercado no mundo foi apresentado por Jomar Napoleão, da consultoria internacional LMC, representada aqui pela Carcon. A demanda por automóveis híbridos recarregáveis em tomadas, ainda com motores a combustão, crescerá rapidamente até pelo menos 2026. Modelos elétricos exclusivos com baterias não terão como deslanchar antes de 2022. 

Somando-se os dois segmentos, a previsão é de que dentro de dez anos a eletrificação combinada ou isolada possa alcançar 26 milhões de unidades vendidas em um ano, ou 25% da comercialização mundial. A China estará à frente com 10 milhões de veículos, seguida pela Europa (7,8 milhões) e Estados Unidos (3,4 milhões). Em torno de 5 milhões estarão espalhados pelo mundo, com predominância bastante acentuada do Japão. 

Para o Brasil, em especial, a consultoria não fez previsões. Tudo o que depender de subsídio ou estímulo ao consumidor não aparece no radar. 

RODA VIVA

SALÃO do Automóvel de São Paulo, encerrado no último dia 20, não chegou a bater recorde de público. Apesar de instalações bem superiores ao anterior Parque Anhembi, atraiu 715.477 visitantes (ante os cerca de 750.000 da edição anterior). Possível reflexo da situação econômica, mas foi o salão mais conectado do mundo, com 759 mil fãs no Facebook. 

NOVO motor Firefly de 3 cilindros/1 litro/77 cv (etanol) estreia agora no Mobi. A Fiat o colocou no meio da gama de seu subcompacto com preços entre R$ 39.870 e R$ 49.020. Também estreou o aplicativo que transforma o smartphone em central multimídia, porém caro demais. Motor se destaca antes de tudo pela suavidade. Baixo peso do modelo também ajuda. 

HONDA atendeu a apelos e oferece câmbio manual no novo Civic Sport. Motor de 2 litros e câmbio de seis marchas traz saudades (engates e curso de alavanca ótimos), mas nível de vendas será muito baixo. No outro extremo, o Touring com o turbo de 1,5 litro (só gasolina) tem desempenho melhor, mas só na posição “S” do câmbio CVT anima o motorista. 

PICAPE Amarok 2017 recebeu interior novo (inclui sistema de infotenimento mais moderno), além de mudanças na grade e para-choque dianteiro. Todas as versões receberam sistema de frenagem automática pós-colisão, que deveria ser recurso universal de segurança. Motor V-6 diesel ficou para 2017. Preços: de R$ 113.990 (cabine simples) a R$ 177.990 (cabine dupla). 

EXPLICAÇÃO: na coluna anterior, sobre 60 anos do primeiro carro nacional convencional (perua DKW-Vemag), o decreto que criou o Geia é de 16 de junho de 1956. Mas a indústria foi pautada pelo decreto de 26 de fevereiro de 1957, mais completo e específico, exigindo mínimo de quatro passageiros (incluído o motorista). Havia total lógica nessa decisão. 


PERFIL
Fernando Calmon (fernando@calmon.jor.br), jornalista especializado desde 1967, engenheiro, palestrante e consultor em assuntos técnicos e de mercado nas áreas automobilística e de comunicação. Sua coluna automobilística semanal Alta Roda começou em 1999. É publicada em uma rede nacional de 85 jornais, sites e revistas. É, ainda, correspondente no Brasil do site just-auto (Inglaterra).
Siga também através do twitter:  www.twitter.com/fernandocalmo fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2


Pirelli completa programa de testes dos pneus de 2017 em Abu Dhabi

O dia final de testes dos pneus de 2017 trouxe três carros adaptados, preparados pela Mercedes, Red Bull e Ferrari, para o circuito de Yas Marina. No total, foram 24 dias de testes acumulados desde agosto deste ano. Estes modelos de 2015 modificados foram feitos para simular o novo regulamento técnico da Fórmula 1, que deixará os carros até cinco segundos mais rápidos por volta, se comparados aos usados em 2016.

Para criar pneus mais bem preparados para suportarem estas cargas, a Pirelli vem testando vários tipos diferentes de compostos e estruturas, com o trabalho de desenvolvimento tendo continuado até esta terça-feira, em Yas Marina, entre 9h e 18h, com pista seca e calor.

Os três carros usados, juntos, completaram 331 voltas, o equivalente a cerca de 1.839 quilômetros ou seis Grandes Prêmios de Abu Dhabi combinados. Aproximadamente, cerca de 96 protótipos foram avaliados, com todos os times usando uma variedade de especificações, com o objetivo de maximizar a coleta de informações.

Kimi Raikkonen pilotou a Ferrari, enquanto Lewis Hamilton e Pascal Wehrlein representaram a Mercedes. Daniel Ricciardo e Max Verstappen participaram pela Red Bull.


Paul Hembery, diretor de motorsport da Pirelli, comentou: “Para o último teste do ano, tivemos cinco pilotos de Fórmula 1 utilizando as unidades disponíveis dos protótipos de 2017, enquanto completamos o nosso programa de desenvolvimento com os três carros ao mesmo tempo. 

Agora que o trabalho duro começa, coletando e analisando os resultados dos nossos 24 dias e aproximadamente 12 mil quilômetros de testes para definir os pneus que usaremos no próximo ano. Estes serão usados nos carros de 2017 de verdade pela primeira vez durante os testes coletivos em fevereiro. O nosso último treino em Abu Dhabi ocorreu de acordo com o plano e nós conseguimos coletar todas as informações necessárias graças aos carros adaptados pela Mercedes, Red Bull e Ferrari. Sem eles, seria impossível fazer este programa de avaliação intensivo. ”

MARCOPOLO CONQUISTA PRÊMIO AUTODATA 2016

Imagem: Nagila Silva
A Marcopolo conquistou o Prêmio AutoData 2016 na categoria Encarroçador de Ônibus. Entre as ações que levaram à conquista estão a gestão para enfrentar a crise pela qual o mercado brasileiro de ônibus passa e a conclusão do processo de incorporação da NEOBUS, iniciado no final do ano passado.

Segundo Francisco Gomes Neto, CEO da Marcopolo, a conquista do prêmio é resultado das ações da empresa para manter o seu desempenho financeiro e operacional, mesmo diante da pior crise já enfrentada pelo setor no País.

 “Ao longo do ano, procuramos fortalecer as relações com os nossos clientes e parceiros, no Brasil e, especialmente, no exterior. Focamos fortemente nas exportações e investimos em segurança, produtividade e elevação do padrão de qualidade dos nossos ônibus. Com isso, melhoramos o ambiente de trabalho, nos tornamos mais eficientes e conquistamos novos mercados”, destacou o executivo.

A Marcopolo possui também um contínuo processo de desenvolvimento de novos produtos e anualmente lança novos modelos de ônibus para atender as demandas dos mercados brasileiro e internacional. Neste ano, apresentou o novo rodoviário Paradiso 1800 Double Decker com 15 metros de comprimento e participou dos projetos do ônibus Torino 100% elétrico, entre outros. No exterior, lançou, no México, a linha MP, composta pelos rodoviários Marcopolo MP 180 MX, MP 135 MX, MP 120 MX, MP 105 MX e pelo urbano Marcopolo MX 60 BRS, e realizou as primeiras vendas de modelos de dois pisos (double decker) para países como Camarões e a República Dominicana.

Promovido pela AutoData Editora, o prêmio é o reconhecimento às empresas, produtos e profissionais do setor que mais se destacaram ao longo do ano na busca de objetivos determinados, inovações, tecnologia e produtividade. Concorreram ao prêmio cases divididos em 17 categorias.


Imagem: Nagila Silva

MWM MOTORES CONQUISTA PRÊMIO “MÉRITO DE INOVAÇÃO EM GESTÃO” - IPEG

A MWM, fabricante independente de motores diesel líder no Mercosul, recebeu o Prêmio “MÉRITO DE INOVAÇÃO EM GESTÃO”, concedido pelo Instituto Paulista de Excelência da Gestão – IPEG.

O Prêmio tem como objetivo identificar, reconhecer e premiar as empresas com gestão inovadora e que apoiem o desenvolvimento sócio-econômico do Estado e País, e que compartilhem esse conhecimento.

O case apresentado pela MWM Motores foi o “Aumento de produtividade em processos de fluxo contínuo através da análise de microelementos em balanceamentos Lean - Productivity increase in process of continuous flow through microelements analysis and Lean line balancing”, do autor Osmar Marinho e do co-autor Adaberio Diniz, ambos colaboradores da MWM Motores.
Ao todo foram 29 participantes, 9 finalistas e 4 foram vencedores. Com o case citado acima, a MWM conquistou um dos títulos de campeã.

Para o Diretor Industrial de Manufatura e Qualidade da MWM Motores, Michael Andreas Ketterer, a conquista do Prêmio MÉRITO DE INOVAÇÃO EM GESTÃO”, concedido pelo IPEG, coroa  todo o trabalho desenvolvido pelo time MWM em intensificar o Lean Manufacturing em nossa companhia. “Estamos orgulhosos com o título recebido, e confiantes de que estamos no caminho certo, buscando continuamente o aprimoramento em nossos processos e a excelência em nossos produtos”, afirma Michael.


Iveco Daily se transforma em sala de aula para motoristas de todo o Brasil

A rotina dos motoristas de caminhão no país é feita de muito trabalho e desafios no dia a dia. Um deles é cumprir uma jornada de trabalho pesada e dirigir por estradas mal conservadas, o que aumenta o risco de acidentes. 

Pensando nisso, a G7 Log Transportes, de Tubarão (SC), criou o projeto Safety Truck, visando diminuir a ocorrência de acidentes nas rodovias e durante as operações de carga e descarga de produtos. Para isso, a empresa transformou um Iveco Daily 35S14 em uma sala de aula itinerante. 

unidade móvel é equipada com TV, ar condicionado, impressora e sete notebooks. João Medeiros, responsável pelo setor de Qualidade da G7, destaca que o objetivo é conscientizar o caminhoneiro de sua importância para tornar o transito mais seguro. "Além do Safety Truck divulgamos também o programa Na Mão Certa, que combate a exploração de crianças e adolescentes nas estradas." 


Quem pilota o Daily e ministra os cursos, que não têm custo para os caminhoneiros, é  Joelson Gomes Bernardo, motorista com mais de 20 anos de experiência que participou de treinamentos que o capacitaram a se tornar instrutor. A carga horária do treinamento é de aproximadamente 50 minutos. O projeto teve início em julho de 2016 e já percorreu cidades como Brasília (DF), Cubatão (SP), Itajaí (SC) e Sete Lagoas (MG). Até o início de novembro 972 motoristas foram treinados.